Notícias

Combustíveis: abaixo-assinado nas mãos do Governo

14 dezembro 2012 Arquivado

14 dezembro 2012 Arquivado

Os consumidores responderam ao apelo da DECO em defesa da verdade nos combustíveis. Entregámos em mão as 42 268 assinaturas de quem se juntou a esta ação.

A DECO entregou o abaixo-assinado no Ministério da Economia, na Rua da Horta Seca, a 14 de dezembro. Lançada a 23 de novembro em www.igualaolitro.pt, esta ação contou com 42 268 assinaturas e defende a transparência total nos combustíveis.

As assinaturas recolhidas em cerca de 15 dias são o resultado do sucesso desta operação. O envolvimento ativo dos consumidores reflete a partilha desta causa e a exigência para mudar a situação.

Testámos gasóleo low-cost, regular e premium e o resultado é igual ao litro. Na hora de atestar, use o mais barato.

Artur Trindade, Secretário de Estado da Energia, recebe Jorge Morgado, secretário-geral da DECO, para a entrega em mão de todas as assinaturas.
Artur Trindade, Secretário de Estado da Energia, recebe Jorge Morgado, secretário-geral da DECO, para a entrega em mão de todas as assinaturas.

O que esperam os consumidores do Governo?
Todas as alegações das companhias devem ser comprovadas. Só assim o consumidor pode saber o que compra e fazer uma escolha livre. Os testes aos combustíveis devem ser realizados periodicamente.

É urgente criar uma entidade para controlar a publicidade e regular o setor ao nível da qualidade do combustível e da transparência nos preços, com coimas eficazes para punir os abusos.

A existência de uma entidade reguladora, tal como reivindicamos, evitaria esta situação. A Galp continua a afirmar que os aditivos fazem a diferença sem apresentar nenhum dado objetivo novo. A Galp surpreendeu tudo e todos ao revelar que os supostos efeitos “aumentam com a idade do veículo” e que, assim, os resultados do estudo da DECO foram influenciados negativamente pelo facto de ter recorrido a automóveis novos.

Pretende a Galp dizer que só os carros com mais de 10 anos beneficiam plenamente do seu gasóleo premium? Este argumento é, no mínimo, estranho, pois não está documentado em nenhum dos suportes de comunicação da Galp ao consumidor.
Como o nosso estudo provou, para todos os combustíveis testados, o resultado é “igual ao litro”. Podem chamar-lhe “low-cost” ou “premium”, mas o impacto no automóvel não é significativo.

A DECO pretende a transparência total já. Os consumidores foram enganados durante décadas. Chegou a hora do Estado intervir nesta situação. A DECO compromete-se a divulgar os desenvolvimentos desta ação.

A nossa equipa (à direita, Rita Rodrigues, Jorge Morgado e Vítor Machado) entregou hoje ao Governo as 42 268 assinaturas em defesa da verdade.
A nossa equipa (à direita, Rita Rodrigues, Jorge Morgado e Vítor Machado) entregou hoje ao Governo as 42 268 assinaturas em defesa da verdade.

Imprimir Enviar por e-mail