Guia de compras

Como escolher um automóvel elétrico e híbrido plug-in

Mãos no volante a conduzir um carro numa autoestrada com curva.

Há bons carros elétricos e híbridos plug-in para todas as carteiras. Comprar um automóvel elétrico já é a solução mais vantajosa. A poupança é significativa para quem é proprietário de um modelo em segunda e terceira mão.

O nosso teste ajuda a escolher com base no preço, desempenho e veredicto da segurança. Entre os carros elétricos e híbridos plug-in, há boas propostas para todas as carteiras. Atraídos pelo incentivo do Governo, muitos consumidores avançam para o negócio. Comprar um carro elétrico já é a solução mais vantajosa. Os elétricos do segmento pequeno e médio são a escolha mais interessante ao longo da vida do veículo. A poupança é significativa para quem é proprietário de um elétrico em segunda e terceira mão: menor desvalorização e máximo benefício dos baixos custos de energia e manutenção. O simulador do custo por quilómetro é a via rápida para poupar milhares de euros. Além do valor de compra, consideramos combustível, seguro, imposto, manutenção e pneus. Pode escolher qualquer carro e comparar as motorizações.

A compra do automóvel continua a ser uma das decisões mais importantes. Deve ter em conta critérios como o espaço e a regularidade e o tipo de uso. As nossas dicas ajudam a escolher o melhor carro, novo ou usado, para as suas necessidades. Em segunda mão podem ser um negócio ainda mais vantajoso, mas exigem cuidados redobrados sobre o estado e a garantia. Como não se apresenta no estado de conservação original, convém ter uma ideia da qualidade geral e do preço justo antes de comprar. Procure modelos ainda com uma boa margem ao nível da garantia e desde que tenha uma garantia de fábrica para as baterias de pelo menos 8 anos ou 160 mil quilómetros. A garantia deve assegurar a substituição da bateria durante o período de vigência da mesma, sempre que a capacidade de armazenamento descer abaixo dos 70%. Quanto mais recente for o carro elétrico, melhor.

Veja, no vídeo, truques para escolher um carro usado.

Prioridades da família: conforto, segurança e boa bagageira 

A família exige viagens com conta, peso e medida. Damos prioridade ao conforto e à segurança para escolher uma boa solução. Os critérios mais relevantes são pelo menos cinco lugares, boa mala, ótima acessibilidade aos bancos de trás e a melhor proteção das crianças. Porque há sempre compras para fazer e grandes volumes para levar nas férias, pedimos aos nossos especialistas para valorizar uma mala fácil de aceder, com boa capacidade e versátil.

Boa visibilidade e sensores de estacionamento para a cidade

Nos carros de pequenas dimensões para a cidade, uma boa visibilidade global e os sistemas auxiliares de estacionamento são critérios decisivos. Um reduzido diâmetro de viragem e a facilidade em estacionar ajudam a melhorar a condução. Alerta máximo para comprimento, largura, visibilidade, sobretudo dos obstáculos à frente e atrás, sistemas de estacionamento e esforço no controlo do carro. Neste segmento, o espaço atrás e a capacidade de carga são fatores menos importantes.

Muita bagagem e máxima versatilidade

Focamos a atenção nos modelos que garantem uma ampla capacidade de carga e que oferecem muito espaço interior. Uma bagageira grande e polivalente, rica em zonas de arrumação, é a chave de ouro. Avalie o nível máximo de carga, a versatilidade interior e a facilidade de carregamento.

Cidade e campo ou SUV para todos

Leva o dia-a-dia a sério, mas gosta de arriscar por montes e vales? Pertence ao grupo dos aventureiros que valorizam as fugas à rotina. Procure um carro confortável, com bom desempenho tanto em viagens longas como para levar as crianças para a escola. Há bons companheiros para a cidade e ótimas escolhas para o campo. Valorize as aptidões todo o terreno, mas não menospreze os que não possuem tração integral.

Automóvel híbrido plug-in ou elétrico a baterias?

Os automóveis híbridos plug-in têm ambas as tecnologias: motor a combustão e elétrico. Pode carregar as baterias, que são muito inferiores às dos veículos 100% elétricos. Em média, apenas pode usar o modo de condução puramente elétrico para percursos até 50 quilómetros. Têm uma autonomia total de 600 a 800 quilómetros com motor a combustão e 40 a 50 quilómetros com motor elétrico. Na manutenção regular têm custos elevados.

Os carros elétricos com a tecnologia elétrica são alimentados por uma grande unidade de baterias com sistema de carregamento. Com uma condução cuidada, aumenta a autonomia: basta aproveitar ao máximo os períodos de regeneração e adotar dicas para reduzir consumos. Garantem autonomias de 150 a 500 quilómetros. Beneficiam de custos muito reduzidos em manutenção e continuam isentos de ISV e IUC. Com uma condução silenciosa, registam maior consumo em autoestrada e menor na cidade. A climatização tem grande impacto no consumo.

Para poupar ao máximo, privilegie o carregamento em casa. Para carregar as baterias do carro elétrico, avalie a disponibilidade de um carregador privado. A melhor solução é contar com um carregador privado, para libertar a rede pública para quem não tem esta alternativa ou usar apenas em situações pontuais.

Conselhos para carregar o automóvel elétrico e truques para preservar a bateria

Evite deixar a bateria esgotar-se completamente na utilização diária. Procure recarregar a bateria até 80 a 90% da capacidade.

Evite cargas e descargas completas

Recarregue a bateria quando a percentagem de carga atinge um nível baixo. Alguns especialistas usam 10% ou 20% como referência. O melhor é evitar que a percentagem se aproxime de 0%. Não é tão grave, mas o melhor é evitar cargas completas constantes e manter a bateria a 100% durante muito tempo. Veículo elétrico parado com a bateria totalmente carregada não é boa ideia.

O número de ciclos de carga/descarga é um dos fatores mais importantes. Quanto menos for necessário carregar, melhor. Adote uma condução económica: mais suave, sem acelerações e travagens fortes. A regra é quanto menos usar os pedais, mais eficiente será a condução. Opte pelo modo eco e escolha um nível de regeneração mais forte nas descidas e em condução urbana e menos forte em vias rápidas e autoestradas. Aqui é deixar “deslizar”. Prefira usar velocidades mais elevadas nas descidas seguidas por subidas, em vez de usar a regeneração. Se for possível reduzir a intensidade ou desligar o ar condicionado, tanto melhor.

O carregamento com maior potência aumenta a temperatura e pode ser negativos para a longevidade das células. Restrinja os carregamentos de maior potência em número e em tempo. Prefira fazer carregamentos de baixa potência (durante a noite, por exemplo) e deixe os carregamentos em postos rápidos apenas para quando é mesmo necessário (viagens longas).

Cuidado com a temperatura

Evite carregar sob o sol intenso durante os dias de verão mais quentes, sobretudo em veículos sem sistema de refrigeração das baterias, ou após viagens longas a alta velocidade. Deixe o carro em zonas frescas.

Para manter a saúde da bateria do carro elétrico, não efetue carregamentos rápidos diários, consecutivos. Podem degradar a capacidade e o rendimento da bateria. Mantenha a carga da bateria entre os 80% e os 10%, ou seja, procure não carregar sempre até aos 100%, nem deixar que o nível de carga seja inferior a 10%. Com uma utilização cuidada, a bateria de um carro elétrico pode durar mais de 15 anos.