Dicas

Financiamento automóvel: soluções por medida

04 maio 2018
poupar no financimanto automóvel

04 maio 2018
Montante, garantia concedida e propriedade do carro desde o início determinam a melhor opção para o seu perfil.

Em regra, o leasing ou ALD são as melhores opções para quem não faz questão de ser proprietário do automóvel desde o início. Para ser logo dono do carro, opte pelo crédito bancário. Quem necessita de montantes elevados, a reembolsar em prazos mais dilatados, e possui um imóvel como garantia também pode considerar o crédito hipotecário.

Aceda ao nosso simulador e saiba qual a melhor opção para o seu caso. 

O Banco de Portugal anuncia periodicamente as TAEGs máximas que as instituições podem co­brar. Se lhe propuserem uma TAEG superior à legal, guarde um comprovativo e registe uma queixa no livro de re­clamações da instituição ou no Portal do cliente bancário.

Não quero ser dono

No ALD e no leasing, a instituição compra o veículo e permite que o consumidor o utilize mediante o pagamento de uma renda mensal. As taxas de juro são mais baixas do que no crédito bancário e não paga imposto de selo pela abertura do crédito e pelos juros. Já o imposto de circulação automóvel e a inspeção ficam por conta do cliente. Na generalidade dos casos, estas modalidades não se destinam a automóveis em segunda mão.

Ao optar pelo ALD, obriga-se a comprar o carro por contrato-promessa, assinado ao mesmo tempo que o de locação financeira. No leasing, também pode comprar, mas não é obrigatório. Regra geral, estas modalidades exigem o preenchimento de uma livrança em branco como garantia. Pode ainda ser pedido um aval ou fiança. Uma parte do capital é deixada para o fim (valor residual). A maioria das instituições define mínimos simbólicos ou 2% do valor financiado.

Para ficar com o carro, tem de transferir a propriedade. Por vezes, a operação é gratuita. Em certas instituições, atinge os 250 euros.Se amortizar o capital antes do prazo, não pode ser penalizado no caso de taxas variáveis. Nas fixas, a comissão é, no máximo, de 0,5% (0,25% no último ano de contrato).

Quero o meu carro já

No crédito, a maioria das instituições pede a reserva de propriedade em seu nome. Quando não o fazem, as taxas de juro são mais elevadas. Algumas instituições cobram encargos com a reserva de propriedade. Para anulá-la no fim do prazo, podem também exigir uma comissão. Se amortizar o crédito antes do previsto, fica sujeito às mesmas penalizações do ALD e do leasing.

Poucas instituições atribuem períodos de carência: meses em que paga apenas juros e não amortiza capital. Também não é comum permitirem que parte da dívida seja paga no final (diferimento de capital), solução a evitar. Durante o prazo, amortiza parte da dívida, mas paga juros pela totalidade.

Pagar apenas pela utilização

O renting pode ser uma alternativa ao financiamento, permitindo ao cliente utilizar o veículo por um determinado período, mediante o pagamento de uma mensalidade. Os pacotes básicos, em que a compra e a manutenção da viatura ficam a cargo da empresa de renting, apenas incluem, além destes serviços, a utilização da viatura.

As opções mais completas contemplam o seguro com danos próprios (obrigatório nesta modalidade), gestão de pneus, veículo de substituição, ou a gestão de sinistros. É ainda possível subscrever serviços de gestão de Via Verde, combustível, pagamento de impostos (inclui apenas o serviço, o valor a pagar acresce à renda), realização de inspeções periódicas, entre outros.

Truques para baixar os custos

Nem sempre o ALD e o leasing ficam mais baratos do que o crédi­to. O seguro de danos próprios, que aconselhamos até aos 4 anos do carro, é obrigatório nas primeiras modalidades. Se não tiver interesse, o crédito pode ficar mais barato.

As taxas máximas que as instituições anunciam podem baixar com negociação. Comece por esgrimir argumentos junto do seu banco. Anti­guidade, historial de bom cliente e produtos ou serviços contratados: use-os a seu favor. Se necessário, peça simulações noutras insti­tuições e apresente-as como trunfo.Se não conseguir baixar a taxa, considere contratar um crédito pes­soal. Por vezes, têm taxas competitivas.

 


Imprimir Enviar por e-mail