Dicas

Como negociar a compra do carro

12 fevereiro 2014
Como negociar a compra do carro

12 fevereiro 2014

Se esclarecer todas as dúvidas e souber negociar, pode melhorar as condições e a taxa de juro do empréstimo.

Comece por negociar o preço em mais do que um stande da mesma marca. Como os vendedores trabalham à comissão e ganham em função do número de carros vendidos, não esconda que pretende sondar o preço em vários locais. Tal motivá-los-á a reduzir a sua margem, para dar um desconto maior. Em alternativa, negoceie equipamento suplementar (GPS, teto de abrir, jantes de liga leve, etc.) ou a troca por um carro antigo, se tiver algum do qual queira desfazer-se.

Como negociar a compra do carro

Pesquise na Internet e envie alguns e-mails a pedir propostas. No momento em que lhe tiver sido dado o preço já com os descontos, introduza na discussão, se for esse o caso, a possibilidade de dar o seu atual carro para troca. Não tenha receio em pressionar para lhe oferecerem um bom preço e, se necessário, diga que só nesta condição comprará o carro novo. Não se esqueça de que a diferença entre o preço do carro novo e o do usado irá definir o valor final a pagar.

Para a viatura usada, poderá obter melhores ofertas junto dos privados. Mas, para isso, terá de anunciar nos jornais, na Internet ou na própria viatura e estar disponível para mostrá-la sempre que apareça um possível comprador. Além disso, se tiver urgência na venda, esta não é a melhor opção. É sempre mais cómodo trocar o carro velho no stande onde pretende comprar o novo.

Saber esperar o momento certo
O fim do mês ou do ano são boas alturas, pois os vendedores têm de cumprir determinados objetivos, traduzidos em número de vendas. Setembro poderá ser um bom mês, dado que vem no seguimento de um período de férias e, logo, de poucas vendas.

Nalgumas épocas do ano, como o Natal e o verão, as marcas promovem campanhas promocionais de acessórios (por exemplo, a oferta do ar condicionado), independentemente das margens de lucro dos seus concessionários. Poderá ser vantajoso optar por modelos em fase final de comercialização: além de mais testados, são mais baratos.

Algumas marcas fazem variar o preço de aquisição das suas viaturas em função da zona de concessão do País. Alguns concessionários do interior oferecem descontos significativos, na tentativa de aumentarem as vendas. Os preços de retoma nessas zonas também costumam ser mais aliciantes.

Dicas para acertar o financiamento
Se der uma entrada como sinal, reduz o valor do financiamento, os juros a pagar e o custo final do carro. Quanto mais reduzido for o prazo, menos juros paga. Para prazos curtos, pode mesmo beneficiar de taxas promocionais. No entanto, a prestação e a taxa de esforço são mais elevadas. Evite os períodos de carência e o diferimento de capital: reduzem a prestação mensal, mas encarecem o empréstimo.

A taxa de juro e as comissões são, regra geral, negociáveis. Faça valer os produtos que contratou no banco. No stande, negoceie o preço, mas também o financiamento comercializado pelo intermediário. Peça simulações em mais de uma instituição para o montante a pedir e apresente-as à concorrência.

A taxa anual de encargos efetiva global permite comparar várias propostas, pois reflete o custo total do crédito. Engloba, além da taxa de juro, as comissões, o imposto de selo e os seguros obrigatórios do financiamento. A comparação deve basear-se em parâmetros idênticos: mesmo valor, duração do empréstimo, sinal, etc. Quanto mais baixa a TAEG, mais barato o empréstimo.

Os créditos e a locação financeira têm limites para as TAEG cobradas. Estes limites são definidos trimestralmente pelo Banco de Portugal, diferenciando entre créditos e locação financeira e entre automóveis novos e usados.


Imprimir Enviar por e-mail