Dicas

Como fazer a manutenção de um carro parado

A redução das deslocações obriga a que o carro fique parado por mais tempo. Há algumas recomendações para o manter a funcionar bem quando voltar a pegar nele, seja a gasolina, gasóleo ou elétrico.

  • Dossiê técnico
  • Alexandre Marvão
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Filipa Nunes
27 janeiro 2021
  • Dossiê técnico
  • Alexandre Marvão
  • Texto
  • Sofia Frazoa e Filipa Nunes
bateria de carro a ser carregada

iStock

Pneus, escovas, travões, combustível ou bateria sofrem desgaste em qualquer carro, mesmo se estiver parado. Com o estado de emergência devido à covid-19, que leva a que as pessoas estejam mais em casa, também os carros ficam parados e por um período de tempo que pode ser longo.

Convém que a manutenção dos veículos seja feita. Há recomendações gerais e específicas para carros elétricos e para carros com motores a combustão (gasolina ou gasóleo). Limpar o interior da viatura, manter uma boa pressão dos pneus e o depósito com pouco combustível, ter as baterias do carro elétrico na carga média, dar uma volta com o carro para funcionar e mudar de lugar de estacionamento são algumas das recomendações.

E mesmo com o carro sem andar, não se esqueça de pagar o seguro.

Mantenha a pressão dos pneus

Por motivos de consumo e segurança, os pneus devem andar sempre com a pressão indicada pelo fabricante.

Se o veículo ficar parado por longos períodos, é essencial que a pressão se mantenha estável e seja verificada com regularidade, dependendo do estado de conservação dos pneus. Os pneus novos não perdem ar com tanta facilidade, mas os pneus com muito uso podem apresentar perdas que obrigam à reposição da pressão semanal ou quinzenalmente.

Além da borracha, os pneus são construídos com uma malha metálica interior que pode ficar deformada se ficarem parados durante muito tempo e com a pressão baixa. 

Caso o carro fique imobilizado por mais de um mês, quando for encher o ar dos pneus utilize a pressão máxima indicada no manual.

Limpe o carro por dentro e por fora

A limpeza geral do carro é muito importante. Por dentro e por fora. A sujidade no exterior pode danificar a pintura e, por dentro, pode atrair pragas ou criar sujidades muito difíceis de remover.

Para períodos muito longos, de vários meses, com o carro parado, o ideal seria estacioná-lo numa garagem ou usar uma boa capa.

Em circunstâncias normais, quando a paragem é programada, é possível ponderar uma lavagem e encerar a carroçaria. Esta limpeza dá uma camada extra de proteção da pintura contra as intempéries e os animais e seus dejetos.

Se já não vai a tempo, pelo menos, faça uma limpeza superficial dentro do veículo, apanhe todos os papéis, garrafas e restos de comida. Aspire ou sacuda as migalhas dos assentos e dos tapetes e esvazie o cinzeiro. Os restos de comida podem atrair insetos ou outros animais. As garrafas podem deixar sair líquidos que mancham e serão difíceis de remover depois de secarem.

Proteja o tabliê com um tapa-sol. 

Deixe o depósito na reserva

Os combustíveis muito tempo armazenados no depósito de um veículo parado acabam por perder propriedades e criar resíduos que podem vir a entupir o filtro de combustível ou, até mesmo, os injetores. Se a paragem for por um período muito longo, o melhor é deixar o carro com o depósito na reserva.

Alivie os travões

Há sempre oxidação sobre os sistemas de travagem, que afeta, em grande parte, os veículos parados por longos períodos. No geral, os primeiros metros e as primeiras travagens conseguem recuperar os sistemas.

O travão de mão também sofre com as paragens longas, aumentando o efeito da oxidação nas zonas de contacto permanente e na tensão do cabo do travão. O ideal seria deixar o carro destravado para evitar danos maiores. Poupa os travões e o sistema de travão de mão.

Se optar por destravar o carro, garanta que o veículo fica estacionado numa zona plana e, mesmo assim, não se esqueça de colocar calços em todos os pneus. 

Cuide da bateria

Dantes, desligava-se a bateria quando o veículo ficava imobilizado por períodos longos. Esta prática não é recomendada atualmente, porque os carros têm vários circuitos em constante consumo. Mesmo que muito baixos, estão sempre a drenar a bateria. A técnica de desligar a bateria cria o problema da desprogramação ou do impedimento de funcionamento de algumas das funções do veículo: alarme, localizadores, código do rádio, abertura de portas, entre outras.

Caso opte por desligar a bateria, garanta que tem os códigos de ativação das funções, as portas todas fechadas (à exceção da do condutor) e que o risco de roubo é baixo.

O recomendado para manter a bateria a funcionar e combater a maior parte dos males, sobretudo para veículos que ficam estacionados na rua, seria dar uma pequena volta de manutenção uma vez por semana ou de 15 em 15 dias. De preferência, percorrer cerca de cinco quilómetros. Mesmo que seja uma volta ao quarteirão, já seria razoável.

Durante a volta de manutenção, ligue o ar condicionado para trabalhar um pouco.

Filtros dos carros a diesel

Para cumprirem a norma europeia Euro 5, em vigor desde 2009, os motores a gasóleo (diesel) têm filtros de partículas que têm de ser limpos ao fim de 400 ou 500 quilómetros. Nos casos em que a limpeza ou regeneração dos filtros é automática, sem intervenção do condutor, a mesma ocorre quando o carro circula a uma velocidade mínima de 80 quilómetros por hora e, pelo menos, durante 45 minutos. É a chamada regeneração passiva.

Quando este tipo de regeneração não é possível, recorre-se à regeneração ativa, ou seja, aquela em que o carro aumenta sozinho o rolanti do motor para aumentar a temperatura no filtro de partículas e, dessa forma, forçar a regeneração do filtro de partículas. Para este tipo de regeneração o carro também tem de estar em movimento a uma velocidade de 65 km/hora um certo período. Normalmente, aparece um aviso de regeneração no tabliê e deve circular até esse aviso se apagar, que pode ser durante 15 minutos.

Com o estado de emergência ativo, as deslocações estão limitadas, e os percursos mais curtos. Os filtros dos carros a diesel podem necessitar de regenerar mais frequentemente. Quando possível, aproveite as deslocações que terá mesmo de fazer (supermercado, farmácia ou apoiar alguém) para circular em vias rápidas.

Evite que as escovas limpa-vidros se colem

Pode levantar os limpa para-brisas para evitar que a borracha das escovas se cole ao vidro e se deforme. Se não for conveniente deixar as escovas levantadas, coloque um pano que cubra toda a escova e, assim, encoste-a ao para-brisas.

Veículos elétricos

No caso dos carros elétricos – e para uma utilização ótima em qualquer circunstância – não deve deixar que a bateria descarregue totalmente. De preferência, recarregue a bateria quando a percentagem de carga for baixa (cerca de 20%, segundo alguns especialistas). Por outro lado, evite carregar o carro a 100% e nunca o deixe ligado ao carregador durante muitos dias. A única exceção é se o veículo tiver a função de limitar a percentagem de carregamento programável.

Com a atual limitação de usar o veículo, caso fique muito tempo parado, estacione-o com um nível de carga pela metade. Se já está estacionado e com um nível de carga elevado, tente gastar a bateria dando umas voltas e ligando, por exemplo, o ar condicionado no máximo. Após alguns dias, verifique o nível de carga para manter o nível médio da bateria e nunca abaixo dos 20 por cento.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.