Como testamos

Automóveis elétricos e híbridos plug-in: como testamos

10 dezembro 2021
Automóvel Mazda MX-30 e-skyactiv vermelho estacionado

Testamos mais de cem automóveis por ano. A avaliação é independente, completa e atenta a critérios cruciais, como o consumo, a autonomia, o espaço e a segurança. Conheça todos os parâmetros analisados.

Por ano, cem carros passam pelo centro de testes. Viajamos dois mil quilómetros para avaliar cada modelo com mais de mil medições. Não consideramos os números do fabricante e as alegações da marca para a avaliação. A nossa equipa recolhe e mede todos os dados.

Veja o vídeo com os testes a 300 critérios em cada automóvel.

O motor a combustão vai desaparecer: é uma promessa da Comissão Europeia. A proposta visa proibir, a partir de 2035, a venda de carros novos com motor a gasolina ou gasóleo. Algumas marcas já lideram a corrida da eletrificação. E as vendas de carros 100% elétricos dispararam e batem recordes todos os meses em Portugal. A União Europeia definiu metas ambientais com um impacto enorme na mobilidade. As mais relevantes para Portugal apontam para, em 2030, se alcançar uma redução de 55% das emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes e, em 2050, se atingir a neutralidade carbónica ao nível europeu. No contexto do manifesto dos consumidores para a mobilidade, no nosso comparador, só encontra automóveis elétricos e híbridos plug-in, a única tecnologia que contribui para atingir estas metas.

Agrupámos os carros por segmentos para facilitar a escolha: citadinos/utilitários, pequenos familiares, familiares e grandes familiares. O nosso comparador é representativo do mercado nacional, o que nos permite atribuir os títulos de Melhor do Teste, Escolha Acertada e Mais em Conta.

O programa de testes avalia os automóveis novos. A nossa agenda abrange uma grande variedade de carros, como modelos práticos para todos os dias, amigos do ambiente, inovações e propostas de sonho. Destacamos informação útil e comparável. Para cada automóvel, no comparador, destacamos o menor preço de referência, ou seja, trata-se do preço para a versão com a menor motorização e o menor nível de equipamento disponível. A avaliação contempla o modelo e não versões ou motorizações. A prioridade é a qualidade global do modelo. Valorizamos os critérios básicos, ou seja, a carroçaria, a qualidade de construção, o espaço, a bagageira, o conforto, o desempenho e a segurança. O veredicto final resulta das notas nestes pontos. O motor, a caixa de velocidades e o consumo são critérios essenciais. Temos a audácia de avaliar o modelo pelo modelo, sem olhar para a potência ou equipamentos extra.

Como medimos o consumo e a autonomia dos carros elétricos e híbridos plug-in

Além de combinar medições rigorosas em laboratório e em ambiente real de condução, o esquema de testes inclui a análise à emissão de gases com efeito de estufa para os carros híbridos plug-in. As métricas são obtidas com recurso a um dinamómetro de eixo duplo no laboratório. As medições são feitas segundo o ciclo de testes mundial para veículos ligeiros (WLTC, versão 5.3) e em autoestrada com velocidade mais elevada. Em todos os ciclos, ligamos as luzes diurnas (ou médios) e o ar condicionado. Os ciclos incluem medições de poluentes como monóxido de carbono, hidrocarbonetos, óxidos de nitrogénio e partículas, bem como dióxido de carbono.

Para automóveis elétricos e híbridos plug-in, medimos o consumo total de energia elétrica (em kWh) e a perda de carga. Determinamos a autonomia com a bateria totalmente carregada.

Combinamos o protocolo mais recente de testes com percursos em autoestrada. As viagens incluem percursos urbanos, fora da cidade e em autoestrada. Os veículos elétricos funcionam sem emissões diretas de poluentes. Contudo, estas ocorrem na fase de produção da geração da eletricidade necessária para carregar as baterias.

Com a bateria completamente carregada, calculamos a autonomia com base no consumo médio de eletricidade. O teste é executado até à imobilização total do automóvel. Para evitar a perda de carga devido a diferenças de temperatura, configuramos a temperatura ambiente no automóvel durante uma hora. No final, conseguimos apurar o consumo médio de energia elétrica por cada cem quilómetros.

No laboratório, também medimos quanto tempo demora a carregar a bateria com os diferentes tipos de correntes e fichas. Utilizamos os vários cabos disponíveis no automóvel. Conseguimos revelar quanto tempo exato, em horas, precisa para carregar se usar uma tomada de 230 V, uma wallbox própria com diferentes potências ou no posto de carregamento rápido.