Notícias

Bons vinhos tintos do Douro até 6 euros

01 junho 2017
vinhos douro

01 junho 2017

Com mais de 70% de Qualidade Global no teste, as nossas propostas custam menos de 6 euros. Veja ainda as dicas para conservar e servir.

Início

O Douro foi a primeira região vinícola demarcada e regulamentada do mundo. A bacia hidrográfica do rio e os seus afluentes contribuíram para um microclima característico e facilitaram o acesso à região, classificada como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

A área geográfica para a produção de vinho com Denominação de Origem Douro situa-se no nordeste do País e estende-se por uma região montanhosa que acompanha a bacia hidrográfica do rio. Ocupa uma área de cerca de 250 mil hectares, dividida em 3 sub-regiões: Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior. A área está também demarcada para vinhos com Indicação Geográfica Duriense, que representam 0,6% do total de produção da região.

Há um elevado número de pequenos viticultores. Cada um possui, em média, 2 hectares. As quintas, com maiores dimensões, são as unidades tradicionais de exploração da vinha. Antigamente, produziam e armazenavam o vinho, que depois era vendido aos comerciantes e exportadores através de Vila Nova de Gaia. Embora algumas quintas continuem a apostar na produção de vinho próprio, atualmente muitas dedicam-se apenas à produção de uvas, que depois são entregues a adegas cooperativas ou privadas.

Dos 367 produtos no nosso teste a vinhos, sugerimos três tintos com Denominação de Origem Douro que obtiveram mais de 70% de Qualidade Global. O melhor: estão à venda por menos de 6 euros.

Ver seleção de tintos

 
Se é subscritor do Guia de Vinhos, registe-se no site para ver os resultados completos do teste. Os subscritores têm acesso a todas as funcionalidades do comparador online e da app DECO Vinhos. Podem pesquisar por tipo de vinho (tinto, branco ou espumante), região, ano de colheita, marca, entre outros critérios. Apresentamos ainda os preços recolhidos em centenas de lojas físicas e online.

Comprar, conservar e servir

  • Prefira comprar os vinhos em estabelecimentos onde as condições de armazenamento permitam ser mantidos à temperatura adequada. As garrafas devem estar deitadas e ao abrigo da luz.
  • Leia o rótulo para confirmar que se trata mesmo do vinho que quer comprar. Por exemplo, preste atenção ao ano de colheita e lembre-se de que designações como "Reserva" nem sempre são garantia de qualidade.
  • Tenha em conta que nem todos os vinhos aguentam o mesmo tempo de espera. Se deseja ter algumas garrafas de reserva, guarde-as num local escuro, onde a temperatura seja constante, de preferência entre 12ºC e 14ºC (uma cave, por exemplo). As oscilações de temperatura não devem ser superiores a 4 ou 5ºC. A ventilação deve ser adequada e o local não deve ser muito húmido, para não aparecerem bolores que danificam os rótulos e as rolhas.
  • Mantenha as garrafas deitadas.
  • Se não puder guardar o vinho desta forma, compre apenas as garrafas que vai usar brevemente.
  • É preferível beber o vinho um pouco mais fresco do que muito quente. A partir dos 20ºC, o bouquet (sabor e aroma do vinho) altera-se e a qualidade pode ficar comprometida. Em princípio, os tintos devem ser servidos entre os 12ºC e os 18ºC. Consulte o rótulo, pois muitos fabricantes já incluem instruções específicas. A partir de € 2 encontra bons termómetros para medir a temperatura do vinho.
  • Os mais ortodoxos defendem que os vinhos brancos devem acompanhar peixe ou marisco, enquanto os tintos são para os pratos de carne. Não somos adeptos de regras tão rígidas. O mais importante é o vinho ser apreciado por si e pela sua companhia.