Como testamos

Vinho: como testamos

19 maio 2016
como testamos vinho

19 maio 2016
Medições em laboratório, provas de degustação e análise dos rótulos compõem os nossos testes.
Medições em laboratório, provas de degustação e análise dos rótulos compõem os nossos testes.

Com base num estudo de mercado, selecionamos os vinhos de acordo com a representatividade das marcas em termos de unidades vendidas. Escolhemos as colheitas mais recentes, tendo em conta as informações recolhidas acerca da sua disponibilidade na altura da compra dos vinhos e na publicação dos artigos.

Os vinhos são comprados no comércio a retalho de forma anónima, como qualquer consumidor. Enviamos as amostras para laboratórios especializados.

Análises laboratoriais

São indispensáveis para detetar defeitos na composição ou mesmo fraudes. Centramos a nossa atenção no teor alcoólico, açúcares, acidez volátil e total e presença de aditivos. Nos tintos, verificamos também o estado da fermentação maloláctica. Esta reduz a acidez, torna o vinho mais macio e potencia as qualidades, como se pretende nos tintos. Convém que a fermentação esteja terminada. Nas nossas avaliações, com frequência, somos mais exigentes do que a própria lei, para bem dos consumidores.

Provas de degustação

Para conhecer a probabilidade de os vinhos agradarem e detetar eventuais defeitos, um júri de amadores (apreciadores de vinhos mas sem formação específica) e/ou profissionais pronuncia-se sobre a limpidez, cor, aroma e sabor de cada amostra. Os provadores nunca sabem que vinhos estão a provar (é a chamada prova cega), para evitar que a marca ou outro elemento tenham influência no resultado final. Quando se constata algum defeito pontual numa garrafa (sabor a rolha, por exemplo), outra é aberta para que o vinho não seja penalizado por um simples acidente de percurso.

Recolha de preços

A pesquisa de preços nas lojas abrange Continente e Ilhas. Com esta informação, atribuímos os títulos de Escolha Acertada e Escolha Económica.