Notícias

Sushi take-away: revelamos os melhores supers e restaurantes em Lisboa

28 junho 2017
teste a take-away de sushi

28 junho 2017
O take-away de sushi e sashimi que analisámos faz as delícias dos apreciadores e cumpre os requisitos de qualidade. E não é restrito: os supermercados acompanham o nível dos melhores restaurantes.

Início

Comprar sushi para levar para casa, numa ida ao supermercado, ao mesmo tempo que leva as restantes compras, é um plano seguro, pelo menos, nos 4 supermercados que visitámos entre 20 locais analisados com sushi take-away. O resultado global é positivo e, quando comparado com o estudo realizado em 2009, assistimos a uma evolução. Excluindo problemas pontuais de higiene, não há verdadeiramente nenhum menu combinado que tenha ficado mal na fotografia.

 Onde comprar o melhor sushi

Os nossos testes em laboratório não acusaram situações alarmantes, pois não detetámos bactérias patogénicas. Numa refeição como o sushi, em que são usados ingredientes delicados e altamente perecíveis, como o peixe cru, os resultados são tranquilizadores. Se quiser fazer o seu próprio sushi, espreite o nosso vídeo. 

 

Mesma qualidade, o triplo do preço

Não há um denominador comum nos preços dos 20 menus que comprámos, nem uma relação direta com o número de peças e a quantidade de peixe. Por exemplo, o menu do restaurante King Sushi, com 45% de peixe, custava € 7,90, enquanto pelo menu do Arigato, com idêntica quantidade de peças, pagámos o triplo: 23 euros. É possível comprar um menu combinado por 8 ou 9 euros, com cerca de 20 peças, e até de excelente qualidade. Aliás, há combinados baratos com melhores resultados do que outros mais caros. 

Arroz e peixe em proporções desiguais

Os elementos principais do sushi, arroz e peixe, manifestavam diferentes relações de força. Em média, o arroz representava 51% e o peixe, 36 por cento. As quantidades de vegetais e de fruta ficaram-se pelos 13 por cento.

Dado o diferente número de peças de menu para menu, entre 10 e 26, o peso oscilou entre 255 a 473 gramas. Nesta matéria, cada supermercado ou restaurante tem a sua própria conceção. Por isso, comprámos os menus mais baratos com sushi e sashimi.

Poucos problemas de higiene

As boas práticas de higiene na preparação do sushi e do sashimi foram respeitadas? As consequências não são nocivas, mas, na maioria dos casos, poderiam ter sido seguidas de forma mais rigorosa, sobretudo quando em causa está um alimento cru e perecível como o peixe e o marisco. Nas análises microbiológicas, pesquisámos organismos reveladores de problemas de higiene: contagem de coliformes, Escherichia coli e S. aureus. Em quase metade dos menus, detetámos coliformes que, por contaminação ambiental, podem encontrar-se naturalmente no peixe, nos vegetais, na fruta e nos cereais, entre outros. Há outras falhas prováveis: contaminação após o tratamento térmico, armazenamento ou venda a temperaturas demasiado elevadas e que favorecem a multiplicação, e más condições de higiene durante a preparação do sushi e do sashimi. É possível ainda dever-se à má lavagem das mãos, dos utensílios ou das bancadas, por exemplo. Porém, não encontrámos bactérias patogénicas. 

De igual modo, não detetámos parasitas em nenhum dos menus combinados. Alguns parasitas podem causar problemas de saúde, sobretudo ao nível digestivo, ou desencadear reações alérgicas. A congelação, tal como consta da nossa legislação, elimina o risco desta transmissão. Em Portugal, é obrigatório que o peixe para sushi seja previamente congelado, com o objetivo de eliminar parasitas que possam ser um risco para a saúde. Veja a entrevista com a responsável do estudo, Dulce Ricardo.

 

Sushi saudável e pouco calórico

O sushi pode ser considerado saudável e pouco calórico. Uma das grandes riquezas é o peixe, fonte de proteína de elevada qualidade, vitaminas A e D, magnésio, potássio, fósforo, sódio, cálcio, iodo e zinco. Além disso, o peixe contém ácidos gordos da série ómega 3, gorduras polinsaturadas benéficas para a saúde. O salmão, o atum, o arenque, a truta e a cavala são os mais ricos nestes ácidos gordos. Embora não se tenha refletido no nosso estudo, consumir peixe cru pode implicar alguns perigos para a saúde. Pode estar contaminado com bactérias, parasitas, vírus e toxinas suscetíveis de provocar toxi-infeções alimentares.  


Imprimir Enviar por e-mail