Notícias

Óleo de palma: indústria com custos ambientais e sociais

05 dezembro 2012 Arquivado

05 dezembro 2012 Arquivado

Nativos expulsos da sua terra, violação dos direitos dos trabalhadores e desaparecimento de várias espécies vegetais e animais são consequências a plantação de palmeiras.

Investigámos a situação em terrenos indonésios, origem de grande parte da produção, bem como as medidas tomadas em prol da sustentabilidade.

No vídeo, os locais mostram a dimensão do problema.

Responsáveis pela certificação do óleo de palma explicam como procuram uma produção sustentável.

Margarinas, gelados, bolachas, chocolates, batatas fritas, detergente, sabonete e outros cosméticos são alguns dos produtos que transportam óleo de palma para as nossas casas. A indústria utiliza-o pelas suas propriedades técnicas, em particular por manter a consistência sólida à temperatura ambiente, e pelo baixo preço.

Na prática, é quase impossível evitar o óleo de palma. As alternativas ao dispor da indústria implicam problemas ambientais e de saúde idênticos e são mais caras. O contributo do consumidor para a sustentabilidade passa por racionalizar o uso dos produtos que contenham aquele ingrediente, se indicado no rótulo, e optar pelos que apresentam o selo da certificação RSPO: o sistema não é perfeito, mas dá alguns passos no sentido da produção sustentável.