Notícias

O açúcar onde menos imagina

12 novembro 2015

12 novembro 2015

O açúcar está cada vez mais presente nos produtos do dia-a-dia. Nem só a sacarose, a frutose ou a lactose são açúcares. Para diminuir o consumo de açúcar, veja em que ingredientes pode estar escondido.

Para controlar o açúcar que consome, analise os rótulos dos produtos e perceba se o açúcar não está camuflado com outros nomes. Verifique também a quantidade de açúcar na declaração nutricional. Por exemplo, consegue detetar os açúcares numa caixa de preparado para pão-de-ló?

Preparado em pó para pão-de-ló.
Preparado em pó para pão-de-ló.

Açúcar, dextrose, xarope de glicose são todos açúcares e pode encontrá-los neste preparado assinalados a verde na imagem.    

O açúcar pode ter várias designações como glucose, dextrose, frutose, sacarose, maltose, lactose, açúcar invertido, mel, melaço, xarope de milho, entre outros.

A sacarose é o açúcar tradicional, mais conhecido como açúcar de mesa. O leite e derivados incluem a lactose e a fruta tem frutose, por exemplo.

A frutose é diferente da sacarose, mas não deixa de ser um açúcar. Contudo, a subida de açúcar no sangue é mais lenta, principalmente se for consumida na fruta inteira, uma vez que as fibras ajudam a retardar a sua absorção. A frutose está naturalmente presente em alimentos como a fruta, mas também é utilizada como açúcar de mesa e noutros produtos processados por ter um poder adoçante superior à sacarose. A frutose proveniente da fruta tem um efeito diferente da frutose usada como açúcar de mesa ou adicionada artificialmente aos alimentos. A primeira é mais benéfica do que a segunda por se ingerir combinada com outros nutrientes como as fibras, vitaminas e minerais.

Os açúcares pertencem ao grupo dos hidratos de carbono, que são a principal fonte de energia do organismo. Existem dois tipos de hidratos de carbono, os simples, como o açúcar, e os complexos como o pão, os cereais integrais ou as massas. Entre um e outro tipo de hidratos de carbono devemos optar pelos hidratos de carbono complexos, uma vez que têm uma absorção e uma subida do açúcar no sangue mais lenta, o que nos dá uma sensação de saciedade mais prolongada.

O açúcar é essencial para o funcionamento do organismo. Não o elimine por completo da sua alimentação, tente apenas controlar o consumo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou uma redução do consumo de açúcar em cerca de 10%. No entanto, se a redução for abaixo dos 5%, cerca de 25 g já traz benefícios para a saúde.