Notícias

Noodles: de frango, só o aroma

Por menos de 1 euro, os noodles são uma refeição rápida e fácil. Mas não abuse. São ricos em sal, gordura saturada e aditivos. O frango é uma miragem.

  • Dossiê técnico
  • Sofia Mendonça e Susana Costa Nunes
  • Texto
  • Cécile Rodrigues e Deonilde Lourenço
02 outubro 2019
  • Dossiê técnico
  • Sofia Mendonça e Susana Costa Nunes
  • Texto
  • Cécile Rodrigues e Deonilde Lourenço
noodles

iStock

Basta juntar água a ferver, esperar três ou quatro minutos e a refeição de noodles está pronta. Massa à base de trigo vendida em copos ou saquetas, é muito barata: a partir de 54 cêntimos por porção. Mas a nossa análise aos rótulos de 13 marcas de noodles com sabor a frango compradas em supermercados revela o outro lado da história: há sal e gordura saturada em excesso, além de muitos aditivos, alguns envolvendo risco de alergia em pessoas sensíveis. 

Nas nove marcas que, graças à presença da declaração nutricional do produto preparado por 100 g ou 100 ml e por porção, puderam ser analisadas, as porções são insuficientes para fornecer as calorias necessárias a uma refeição principal: entre 259 (Maggi Fusian Yakisoba) e 398 quilocalorias (Nissin Soba Yakitori). No primeiro caso, tal corresponde a menos de metade das calorias necessárias para a refeição de um adulto (cerca de 600). Quanto ao conteúdo em proteína – macronutriente presente, por exemplo, na carne ou nos ovos –, nenhum dos produtos passou da mediania. O melhor neste critério, o do Pingo Doce, contém 2% de frango. Nos restantes, o teor de carne é inferior ou até inexistente. Usam-se aromas.

Sal, gordura e aditivos

Em média, os noodles incluem uma dose de sal de cerca de 3 gramas por refeição, ultrapassando metade do máximo diário recomendado pela Organização Mundial da Saúde, de 5 gramas. Com 4,7 gramas de sal por porção, o produto do Continente é o pior. Tal como o sal, as gorduras saturadas estão associadas a problemas cardiovasculares e, por isso, o seu consumo deve ser inferior a 7% do valor energético total diário, como recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

A grande maioria dos noodles analisados inclui um cocktail de aditivos, alguns suscetíveis de desencadear alergias em pessoas sensíveis, como os glutamatos. Apesar de, na sua maioria, quase todos os aditivos usados serem aceitáveis, alguns devem ser consumidos com moderação. Muitas vezes, a presença de aditivos visa mascarar a falta de matéria-prima. No caso dos noodles, fica mais do que confirmado.

 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.