Notícias

Esparguete: marcas mais baratas al dente

28 janeiro 2016
esparguete marcas mais baratas al dente

28 janeiro 2016
Esparguete comum ou com ovo? A diferença está no preço: a massa com ovo fica em quase o dobro. As marcas próprias fazem frente às mais seletas e conseguem aliar boa qualidade a preço económico.

Início

Na prateleira do supermercado, o esparguete parece todo igual. Mas não é. Além do preço, a qualidade pode marcar a diferença até no paladar. Após analisarmos 22 amostras de esparguete, onde incluimos duas de ovo, temos boas notícias: não há marcas realmente más e a maioria alia boa qualidade a um preço convidativo. Por refeição, uma família de quatro pessoas gasta cerca de meio pacote de esparguete clássico, o que, em média, significa 30 cêntimos. Com as marcas mais baratas, na maioria de supermercado, compra um produto de qualidade e ainda poupa, no mínimo, 42% face às marcas de fabricante.

Truques para uma massa reconfortante
O esparguete, tal como todas as massas, absorve água durante o processo de cozedura, o que faz baixar o valor energético para cerca de um terço do valor em cru. Comer duas porções ou 220 g de esparguete cozido significa ingerir, em média, 222 kcal. Confira as contas em baixo.

Diariamente, devemos ingerir 4 a 11 porções de alimentos do grupo de cereais e derivados e tubérculos. Cada porção equivale a 2 colheres de sopa de massa crua (35 g) ou a 4 colheres de sopa de massa cozida (110 g).
As massas inserem-se no grupo dos cereais, do qual devemos consumir 4 a 11 porções todos os dias.
As massas inserem-se no grupo dos cereais, do qual devemos consumir 4 a 11 porções todos os dias.

“A massa é uma comfort food”, afirma Chiara Ferro, chef italiana de um restaurante lisboeta, defensora da massa: “é reconfortante, barata e nutritiva”. “A massa tem de ter sabor e perfume a trigo, após cozida”, afirma.

Chiara Ferro, chef italiana de um restaurante lisboeta, defende que, "para ser melhor digerida, é importante a massa ficar al dente".
Chiara Ferro, chef italiana de um restaurante lisboeta, defende que, "para ser melhor digerida, é importante a massa ficar al dente".

Chiara reforça alguns passos: “coloca-se em água (no mínimo, o dobro da massa) a ferver com sal, sem azeite nem óleo. Para não colar, a massa tem de ser logo mexida. Se não retirar logo e juntar o molho, é preciso passar por água fria e pôr um pouco de azeite. Desde que se ponha muita água, não é necessário partir o esparguete”. Este “come-se com garfo”. “Para ser melhor digerida, é importante a massa ficar al dente”, explica a chef.


Imprimir Enviar por e-mail