Notícias

Douradinhos com pouco peixe

Início

Que não substituem o peixe, é ponto assente. Mas esperar-se-ia um pouco mais em cada douradinho. Não há quantidade mínima de peixe definida, dado não haver legislação específica. Veja os resultados do nosso teste.

douradinhos

iStock

Isco perfeito para crianças relutantes em comer peixe (ou algum peixe), os douradinhos ganham pontos pelo lado prático e preço acessível. E a maioria das 17 amostras de douradinhos que testámos são de boa qualidade. Mas os panadinhos não contêm muito peixe. Por isso, não o substituem, de todo. A quantidade oscilou entre 44% e 61%, numa média de 55 por cento. E a quantidade, aqui, importa e muito. Porém, não é suficiente para que a legislação defina uma quantidade mínima de peixe para os douradinhos.

Ver a nossa seleção de douradinhos

Douradinhos frescos, mas com parasitas

A frescura está garantida nos produtos testados e estão descartados problemas de higiene e de conservação. Por sua vez, em dez amostras de douradinhos, todos de pescada, identificámos parasitas (esporos de Kudoa sp.). O aparecimento de parasitas de espécies do género Kudoa tem sido estudado em pescada, devido aos problemas económicos que transporta, uma vez que produz enzimas que destroem a massa muscular, tirando-lhe consistência. Depois de cozinhado, o peixe esfarela-se. Mas não causam doença. Recolhemos ainda uma larva morta de Anisakis spp. numa amostra. Os anisaquídeos infetam uma grande variedade de peixes e podem, se vivos, causar, por exemplo, problemas digestivos. Não são de excluir episódios alérgicos, mesmo se o parasita estiver morto.

O sal enaltece os sabores. Contudo, o consumo excessivo terá, provavelmente, e de acordo com a ciência, consequências nefastas: aumento da pressão arterial, doenças cerebrovasculares ou cancro do estômago. A Organização Mundial da Saúde limita o consumo a 5 gramas diários. Os douradinhos, não sendo um exemplo impoluto, também não ultrapassam as linhas vermelhas. Mas é ainda possível reduzir os teores de sal.

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar dá como certa uma dose diária de 250 miligramas de ómega 3 de cadeia longa (EPA+DHA) como suficiente para manter a função cardíaca normal nos adultos e nas crianças. Em média, os douradinhos do teste contêm 210 miligramas de EPA+DHA.

Douradinhos pouco crocantes

Um painel de provadores deu o parecer sobre as qualidades organolépticas dos douradinhos, já preparados seguindo as indicações dos fabricantes. A degustação ficou aquém do esperado, com vários produtos no limiar do negativo. Os provadores apontaram a crocância ligeira, a consistência ligeira a mole, sabor um pouco oxidado e suculência ligeira e gosto a peixe pouco pronunciado.

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.