Notícias

Como descodificar rótulos que podem induzir em erro

Origem dos produtos

Denominações como "iogurte grego" são enganadoras se o iogurte em causa tiver sido produzido com leite português, por exemplo. Caso a origem do alimento for indicada, e não for igual à do ingrediente primário, o fabricante é obrigado a identificar a origem do ingrediente primário ou a esclarecer que este é diferente do país de origem do alimento.

É obrigatório indicar na rotulagem o país de origem das carnes de aves, suíno, ovino (borrego) e caprino (cabrito), sejam estas frescas, refrigeradas ou congeladas. Até 2014, tal só se aplicava à carne de bovino (vaca ou vitelo). Também no caso do leite e dos seus derivados - caseínas, iogurtes, manteigas, natas, queijo e requeijão – a origem deve estar indicada no rótulo. Este deve indicar o país de ordenha e de transformação do leite e dos produtos que contêm esse ingrediente. Se a proveniência for a mesma, basta incluir a expressão "Origem: (nome do país)". O país de origem deve estar presente nos rótulos de todas as carnes. Até recentemente, esta informação era obrigatória apenas na carne bovina.

 

O país de origem deve estar presente nos rótulos de todas as carnes.