Notícias

Bebidas açucaradas: aumento da taxa é apenas um passo da maratona

09 junho 2017
Bebidas açucaradas: aumento da taxa é apenas um passo da maratona

09 junho 2017
A intenção do Governo só terá sucesso se forem implementadas outras medidas em que a proteção da saúde pública se sobreponha à obtenção de receita pelo Estado.
O Governo anunciou que quer aumentar a taxa sobre as bebidas açucaradas, como refrigerantes, concentrados para sumos (xarope ou em pó) e bebidas com teor alcóolico entre 0,5 e 1,2 por cento. O ministro da Saúde revelou também a intenção de taxar os produtos alimentares com elevados teores de sal ou gordura saturados. Na mira está a chamada junk food (batatas e salgados de pacote, hambúrgueres, pizza, etc.). O total arrecadado reverte para o Serviço Nacional de Saúde.

Ao aumentar a fat tax (do inglês, taxa de gordura) e alargá-la a outros produtos, o Ministério da Saúde quer contribuir para reduzir o consumo de açúcares simples, responsáveis pelo desenvolvimento da obesidade, de doenças cardiovasculares e da diabetes do tipo 2, entre outros problemas.

Se esta taxação conseguir que os fabricantes reduzam a quantidade de açúcar, para pagarem uma taxa menor, é uma medida positiva. Mas, para surtir efeito, deve integrar um pacote de políticas que facilitem escolhas saudáveis por parte dos consumidores. É preciso criar condições para que a prática de exercício físico faça parte do quotidiano das pessoas. As campanhas de informação também são essenciais e, nesta matéria, os médicos de família desempenham um papel fundamental. Cabe-lhes a tarefa de esclarecer a importância da alimentação saudável e da prática de exercício regular. A proibição da venda de alimentos com pouco interesse nutricional em máquinas automáticas já é uma realidade em hospitais, centros e unidades de saúde. Porém, tem de ser alargada às escolas.

Taxar as bebidas açucaradas e a junk food são os primeiros passos de uma maratona que só terá sucesso se forem implementadas medidas que facilitem o enraizamento hábitos saudáveis. Nesse sentido, a saúde pública deve estar acima da obtenção de receita pelo Estado.