Notícias

Abacate: as fraquezas de um "superalimento"

07 dezembro 2016
Conheça os benefícios e propriedades do abacate e a desconstrução de alguns mitos curiosos sobre este fruto.

07 dezembro 2016
Rico em nutrientes, fibras e gorduras saudáveis, o abacate é um fruto associado a mitos como o poder adelgaçante de “superalimento”. Apesar dos benefícios, algumas pessoas devem moderar ou evitar o seu consumo.
O abacate diferencia-se dos outros frutos por conter ácidos gordos monoinsaturados, ácido oleico e ácidos gordos essenciais, conhecidos por serem “gorduras saudáveis para o coração”. Estas gorduras, ao contrário das saturadas, que são prejudiciais à saúde, ajudam a controlar os níveis de colesterol, LDL e triglicéridos e a prevenir doenças cardiovasculares.

Este fruto é rico em fibras e minerais, como o potássio, o magnésio, o cobre e o zinco. Apresenta um bom aporte em vitaminas do grupo B e vitamina E, entre outros componentes benéficos para o organismo. Porém, é exagerado chamar-lhe “superalimento”. As propriedades do abacate estão ligadas a alguns mitos.

As calorias e um poder afrodisíaco por comprovar

É certo que o abacate possui fibra solúvel e insolúvel, tem um efeito saciante, previne a prisão de ventre e ajuda a controlar a diabetes. Mas é também uma das frutas mais calóricas e com maior teor de gordura, devendo ser evitada por pessoas com excesso de peso.

A origem do mito sobre as propriedades afrodisíacas deste fruto é mais difícil de explicar. Poderá estar relacionada com o alto teor de vitamina E do fruto, cuja deficiência pode provocar lesões genitais, não existindo provas científicas de que aumente o desejo sexual.

Impacto sobre cancro, visão e coração

A par da vitamina E, o abacate possui vitamina B6 (indispensável para o bom funcionamento do sistema nervoso, se tomada nas devidas doses) e compostos bioativos (fitoesteróis, luteína e compostos fenólicos). Estes compostos têm propriedades anti-inflamatórias e neutralizam o efeito danoso dos radicais livres sobre as células mas isto não significa que o consumo regular de abacate afaste o risco de cancro.

Os ácidos gordos monoinsaturados e as fibras favorecem a redução do nível de colesterol no sangue. A estes soma-se ainda o potássio, que ajuda a controlar a tensão alta. Mas esta riqueza nutricional não é um escudo e de nada serve se abusar dos bolos ou se comer abacate e o encher de sal.

Os carotenoides, como a zeaxantina, ajudam a manter os olhos em bom estado e estão presentes no abacate e em grande parte das frutas. A maioria das pessoas que segue uma dieta variada consegue facilmente cobrir a necessidade destes compostos.

Quem deve evitar

Apesar dos muitos benefícios, o consumo de abacate deve ser limitado ou até evitado em alguns grupos. É o caso das pessoas com insuficiência renal, para quem o abacate é mesmo um “fruto proibido” por conter elevado teor de potássio. Pode ainda provocar reações alérgicas em pessoas com alergia ao látex e, pelo facto de conter gorduras, deve ser bem doseado em dietas hipocalóricas.