Dicas

Tábua de queijos: comprar, cortar e servir

16 julho 2014

16 julho 2014

Escolha diferentes variedades de queijo e decore a tábua com um leque enriquecido de sabores.

Início

Pode compor a tábua utilizando vários critérios, como produtos da mesma região ou fabricados com leite de vaca, cabra, ovelha ou mistura, frescos ou com diferentes tipos de cura. Destacamos a nossa seleção de dicas para comprar, arrumar na tábua e conservar.

Tábua de queijos

Cuidados na compra
Compre no próprio dia ou na véspera de servir, em especial se pretende queijo fresco. Escolha uma loja com boa rotação de produtos, para evitar queijo exposto há muito tempo ou com ranço. O queijo deve ser dos últimos produtos a colocar no carrinho para evitar a exposição prolongada a temperaturas mais elevadas, sobretudo se comprar fresco.

Verifique a limpeza do local onde estão os queijos e o modo como foram arrumados: devem estar agrupados por famílias, por exemplo, internacionais ou nacionais. Também há por grupos específicos, como os DOP – Queijos com Denominação de Origem.

O aspeto é decisivo. Não compre queijos ressequidos ou com bolores que não façam parte dos mesmos. Verifique se a casca está intacta, sem fissuras ou cortes, dado que estes podem afetar a qualidade e segurança.

Quando compra uma variedade de queijo pela primeira vez, leia o rótulo, se estiver numa loja onde não pode prová-lo, nem receber ajuda na escolha. O tipo de leite (origem, cru ou pasteurizado) e se é ou não curado já dizem algo sobre o queijo. Regra geral, os queijos de sabor mais suave são feitos com leite de vaca e, os mais fortes, com leite de ovelha, cabra ou mistura. Em geral, para o mesmo tipo de leite, quanto mais prolongada for a cura, mais forte é o sabor. Por exemplo, o queijo de São Jorge usa leite de vaca, mas apresenta um sabor forte por ser feito com leite cru e ter um período de cura longo.

Entre os queijos que alteram as suas características com maior facilidade, como os frescos e os de pasta mole, compre apenas a quantidade que vai consumir nos dias seguintes, dentro do prazo. Dos semiduros ou duros, como duram semanas ou meses quando conservado nas condições adequadas, já poderá comprar uma quantidade maior.

Cortar cada variedade de queijo
Utilize uma faca grande, sem ser de serrilha. Passe a faca por água quente ou unte-a com um pouco de azeite para evitar que os queijos de pasta mole fiquem agarrados à lâmina. Nunca retire a casca de queijos como o Camembert e o Brie, pois é comestível. O Roquefort deve ser cortado em tiras, em quartos ou em fatias.

Roquefort
Roquefort
Os queijos cilíndricos altos, como o de São Jorge, ou baixos, como o de Nisa, ficam melhor cortados em fatias triangulares, partindo do centro. De seguida, podem ser cortados em fatias mais pequenas.

São Jorge e Nisa
São Jorge e Nisa
Os queijos cilíndricos horizontais, como o Chèvre, poderão ser partidos em fatias e, de seguida, em pequenos triângulos, a partir do centro.
Chèvre
Chèvre
Os queijos cilíndricos mais pequenos, como o de Azeitão, o de Évora e o Camembert, comem-se melhor se forem partidos em fatias triangulares. Os mais pequenos podem ser só cortados ao meio ou em quartos.
Azeitão e Camembert
Azeitão e Camembert
Os queijos esféricos, como o Flamengo, podem ser cortados em quartos.
Flamengo
Flamengo

O queijo Serra da Estrela produzido nas condições ideais tem uma textura ligeiramente amanteigada, com zona de corte deformável, pelo que é recomendado cortá-lo à fatia. Mas há quem prefira consumir este queijo com textura muito amanteigada, a partir do topo por uma abertura circular na casca. Se for o caso, retire-a apenas ao servir.

Serra da Estrela
Serra da Estrela

Imprimir Enviar por e-mail