Dicas

Substitutos de refeições: açúcar contra os quilos a mais

02 novembro 2012

02 novembro 2012

Desequilibrados ao nível nutricional, os produtos para emagrecer que testámos promovem ainda uma redução drástica das calorias.

Na luta contra os quilos a mais, barras, batidos, cremes e sopas com os mais variados sabores prometem sucesso nesta dura frente de batalha. Mas emagrecer não se resume a perder peso. O objetivo é eliminar gordura em excesso e não massa muscular e água.

A restrição energética deve ser gradual e distribuída pelas várias refeições, para não haver fome nem dificuldade em seguir o plano. Quando é sujeito a uma redução, o organismo adapta-se de forma rápida e cumpre as mesmas funções com menor dispêndio de energia. Se o corte for drástico, pode haver perda de peso numa fase inicial, mas com facilidade se chega a um patamar de onde é difícil escapar. Além disso, ao voltar ao regime alimentar normal, ocorre um aumento de peso significativo.

Os substitutos de refeições aconselham reduções calóricas elevadas, são ricos em açúcar e podem ser perigosos se consumidos por longos períodos. Alguns dizem substituir, pelo menos, uma refeição. Outros reclamam-se alternativa a todas. Mas não são a forma ideal de emagrecer.

Desequilíbrio nutricional
Muitos produtos fornecem 200 kcal por dose. Como um adulto precisa, em média, de 600 kcal por refeição, o corte proposto é de 400, valor excessivo, sobretudo se forem substituídas duas refeições principais.

O teor em proteínas é elevado e muitos produtos contêm também grande quantidade de gorduras saturadas, com impacto negativo na saúde. Outros abusam das vitaminas A, D e E. Por serem lipossolúveis, são armazenadas no organismo e, em grandes quantidades, podem ser prejudiciais.

No geral, os substitutos não são ricos em fibra. Alguns contêm mais de 45% da dose diária recomendada de sódio e cálcio.
Os hidratos de carbono devem ser a principal fonte de energia numa dieta (mínimo de 50%), incluindo de emagrecimento.

Prefira os de absorção lenta, como o amido, e não rápida, como o açúcar. Este não deve representar mais de 30 g diários. Os teores em hidratos de carbono não satisfazem as necessidades diárias. Já os açúcares, muito elevados, variam entre 50 e 99% do total de hidratos de carbono.

Aposta na variedade
Para uma dieta de emagrecimento bem-sucedida, invista no equilíbrio e variedade. As interações entre os alimentos asseguram os nutrientes para manter-se saudável. As dietas que propõem baixos valores energéticos, sobretudo se forem prolongadas, podem ser perigosas. Ao diminuírem de forma drástica o consumo calórico, dificultam a passagem a um regime alimentar diversificado sem um aumento significativo de peso.

Os substitutos de, pelo menos, uma refeição fornecem, no geral, poucas calorias. Para limitar os riscos, não devem ser a alternativa a mais do que uma refeição. Mesmo assim, use por períodos curtos (no máximo, 2 a 4 semanas). Os integrais também propõem grandes reduções calóricas e são desequilibrados. Tome apenas sob orientação médica.

As dietas devem promover a mudança de hábitos. Ao tomar um batido ou comer uma barra, perde uma oportunidade de ouro para aprender a combinar os alimentos. Existem soluções mais saudáveis e baratas.


Imprimir Enviar por e-mail