Dicas

Frutos dos trópicos: cocktail de saúde

30 julho 2013

30 julho 2013

Originários de zonas de climas tropicais, são uma mistura salutar de vitaminas, fibras e antioxidantes.

Com sabores que se estranham, primeiro, e depois se entranham, recheados de vitaminas e propriedades benéficas, os frutos dos trópicos são mais caros e menos frequentes nas lojas. Um petisco para comer fresco em qualquer altura do dia, abrem o paladar a gostos de outras latitudes e abrilhantam as saladas de fruta.

Regra geral, as frutas fornecem pouca energia, mas assumem grande importância na alimentação. As vitaminas e sais minerais, em maior ou menor quantidade em todos os frutos, regulam os processos metabólicos. O segredo é variar, pois todos são ricos num ou noutro elemento. Consumidos em cru, os frescos possuem um elevado valor nutritivo e ricos em vitaminas, sobretudo C e provitamina A (caroteno).

Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, anonas, physalis e maracujá distinguem-se pela aparência e interiores singulares. Os apreciadores de frutas exóticas deparam com uma condicionante: o preço. Entre as frutas que apresentamos, a mais barata é a anona, proveniente da Madeira. Já a pitaia vermelha, bem como a amarela, ostentam um custo quase proibitivo, pelo menos a € 19,99 por quilo, em grande parte por percorrerem grandes distâncias, desde a América do Sul e a Ásia. Mangostão, physalis e carambola também não poupam as bolsas.

Mangostão
Originário da Malásia, o mangostão cultiva-se em muitos países tropicais. O fruto é uma baga esférica com uma casca grossa vermelho arroxeada. A parte comestível está no interior. A polpa é de uma doçura suave e delicada semelhante à uva.
Escolher
Deve ser flexível e ceder ligeiramente à pressão dos dedos. Se estiver duro, significa que a maturação já passou e não pode comê-lo. Os frutos de cor verde já não chegam a amadurecer.
Comer
Faça uma incisão circular na casca para removê-la. Pode abrir assim o fruto e descobrir no centro uma polpa branca dividida entre quatro a oito lóbulos.
Conservar
Mantenha na parte de baixo do frigorífico. Caso contrário, endurece e deixa-se de poder ingerir.
Nutrição
Contém grande quantidade de antioxidantes. Boa parte encontra-se na casca. Destaca-se a presença de vitaminas do grupo B.
€ 18,95 a € 25,99/kg

Physalis
Originária da América Central e do Sul, é conhecida também por lanterna chinesa ou cereja de inverno. Em Portugal, é cultivada nos Açores, onde também é conhecida por capucho.
Escolher
Quanto mais pesados, maior a probabilidade de os frutos serem sumarentos. O cálice deve apresentar-se húmido.
Comer
De sabor adocicado e acidulado, basta retirar as folhas e consumir.
Conservar
Conserva-se à temperatura ambiente. No frigorífico pode estragar-se.
Nutrição
Com propriedades diuréticas e laxantes. Este fruto contém tanta vitamina C quanto o limão, ou seja, 30 mg por 100 g de polpa.
€ 18,90 a € 19,95/kg

Pitaia
Oriunda da América do Sul e da Ásia, provém de um cato e pode ter uma coloração vermelha ou amarela. Designada também por fruto dragão.
Escolher
Escolha um fruto sem manchas, cortes e golpes.
Comer
De sabor doce e subtil, a textura assemelha-se ao quivi. Basta cortar ao meio, no sentido da largura, e comer com uma colher.
Conservar
Como habitualmente se encontra à venda madura, deve consumir a pitaia nos dias seguintes à compra. Para conservá-la mais tempo, guarde-a na parte de baixo do frigorífico, na gaveta da fruta.
Nutrição
As gorduras contidas nas grainhas proporcionam um efeito laxante.
€ 19,99 a € 24,95/kg

Carambola
Provém do continente asiático (Sri Lanka e Malásia) e cresce em países quentes e húmidos. É conhecida por fruta estrela. Com casca fina, amarela translúcida e polpa suculenta, crocante, perfumada e de sabor acidulado.
Escolher
Escolha-a firme, sem manchas e com as bordas ligeiramente castanhas, sinal de maturação.
Comer
Com a forma de estrela, dá um toque divertido ao prato. Ainda verde, é usada como vegetal, cru ou cozido, e acompanha a carne. Remova a membrana castanha dos bordos de gosto amargo. Oxida com rapidez. Regue com sumo de limão após cortada, para evitar que escureça.
Conservar
Verde, conserve-a vários dias, à temperatura ambiente. Madura, coloque-a no frigorífico, na gaveta da fruta, até 2 semanas.
Nutrição
Pouco calórica, rica em vitamina C e beta caroteno. Contém muitas fibras e potássio.
€ 11,99 a € 17,49/kg

Anona
Originária dos Andes. A pele é verde clara com superfície escamuda. Escurece à medida que amadurece. As anonas produzem-se nos Açores, Madeira e Algarve, mas também se importa de Espanha e da América do Sul.
Escolher
Deve estar ligeiramente mole, sem manchas. Liberta um aroma doce, idêntico à baunilha. Tem polpa branca, cremosa, suculenta e doce, mas com ligeiro toque ácido.
Comer
Com forma de coração, come-se o interior, excluindo as sementes pretas, com colher, cortando o fruto ao meio. Usa-se em saladas de fruta, compotas e geleias.
Conservar
Amadurece à temperatura ambiente.
Nutrição
Com valor calórico superior à média devido ao teor em açúcar (cerca de 20%) e rico em potássio, vitamina C, ácido fólico e fibras.
€ 7,99/kg

Maracujá
De pele roxa ou amarela, é originário do Brasil. Pode comprar maracujá dos Açores e Madeira ou ainda de África, Israel e Colômbia.
Escolher
Evite os enrugados, sinal de pouco sumo e menos sabor. Opte pelos maracujás firmes.
Comer
Frescos, corte no sentido do comprimento. Retire a polpa com uma colher. As sementes pretas são comestíveis.
Conservar
Se não estiver suficientemente maduro para comer, deixe-o à temperatura ambiente. Já maduro, coloque no frigorífico, na gaveta da fruta.
Nutrição
Suculento, com sabor doce e acídulo. Rico em fibras e fonte de vitamina A, B, C, cálcio, fósforo e ferro.
€ 10,99 a € 14,99/kg