Dicas

Como preparar batatas fritas mais saudáveis

As batatas fritas são uma guarnição saborosa, mas contêm elevado teor de gordura e podem formar acrilamida, duas razões para moderar o seu consumo.

14 agosto 2019
batatas fritas

iStock

Embora deliciosas, as batatas fritas podem contribuir para o aparecimento de problemas de saúde como obesidade, doenças cardiovasculares e cancro. Para desfrutar sem peso na consciência nem riscos para a saúde, há que moderar o consumo e ter cuidado na preparação.

Varie as guarnições e não consuma batatas fritas todos os dias. Mesmo com uma preparação cuidada, este tipo de confeção implica sempre um teor de gordura elevado: 11% por 100 g, no caso das batatas fritas caseiras em palitos, e 38% por 100 g, no caso das batatas de pacote, às rodelas. É mais do dobro do teor de gordura do que as batatas em puré e assadas no forno (com cerca de 5% cada). Já as batatas cozidas possuem 0% de gordura.

Como os números indicam, o teor de gordura das batatas fritas pode variar muito. Este é potenciado pelo tempo de fritura, pela temperatura e até pelo corte das batatas. Quanto mais longa a fritura, mais baixa a temperatura e mais finas as batatas forem, mais gordura é absorvida.

Deve escolher uma gordura com baixo teor em ácidos gordos saturados (existente sobretudo nas gorduras de origem animal) e que resista a temperaturas elevadas. As melhores opções são os óleos alimentares, de amendoim, de girassol e o azeite, dada a sua resistência ao calor e baixo teor de ácidos gordos saturados. Se deseja reduzir a quantidade de óleo, vale a pena informar-se sobre as fritadeiras a ar. Consulte também o teste a fritadeiras elétricas da DECO PROTESTE.

Outra preocupação que deve ter presente é o risco de produção de acrilamida, uma substância classificada como “provavelmente cancerígena”. A acrilamida pode formar-se em alimentos ricos em frutose e glucose (chamados “açúcares redutores”), que contenham asparagina (um aminoácido) e sejam submetidos a temperaturas de 180°C ou mais, num meio com pouca água (como a fritura). Pode surgir nas batatas fritas, sejam elas caseiras, de restaurante, de pacote ou outras. Não existe nos alimentos crus, mas o seu aparecimento pode ser determinado por aspetos como a variedade e a temperatura de conservação das batatas.

Para cozinhar de forma mais saudável e proteger-se da acrilamida, escolha variedades de batata nova (têm menos açúcar) e adequadas para fritar. Conserve-as acima de 6°C, num local sem luz. Corte as batatas em palitos grossos e, antes de fritar, mergulhe-as em água quente, para retirar os açúcares. De seguida, seque-as bem e frite poucas batatas de cada vez, a temperaturas entre 170°C e 175°C, e não as deixe demasiado tempo na fritadeira – assim que estiverem douradas, estão prontas! Envolva-as em papel absorvente, para retirar o excesso de óleo.

Remova resíduos e restos de batata carbonizados do óleo usado. Quando este já estiver frio, guarde num local fresco e escuro. Renove o óleo a cada 10 ou 12 utilizações (ou ao fim de 3 meses, se for pouco usado). Se costuma fritar produtos congelados, renove o óleo com maior frequência. Nunca misture óleo usado com óleo novo. Se o óleo deitar muito fumo, exibir uma tonalidade escura ou produzir espuma está degradado e não deve ser reutilizado.

 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.