Dicas

Carne de porco: esqueça o mito da gordura

Lidar bem com a carne

  • Na compra tenha em atenção o aspeto da carne: deverá ter uma cor rosa ou rosa-avermelhada, não deve registar-se presença de líquido, e a gordura intramuscular tem de estar presente de forma equilibrada. É esta gordura que dá suculência e tenrura à carne. As carnes muito magras são, por norma, secas e sem sabor e as muito gordas não são apelativas do ponto de vista nutricional.
  • À chegada a casa a carne deve ser guardada a temperaturas inferiores a 7ºC, em recipientes isolados e devidamente higienizados. A carne pode ser assim conservada por um período máximo de 3 dias.
  • A cozedura é a última hipótese de destruir quaisquer microrganismos presentes na carne. Para que isso aconteça a temperatura deve ser superior a 75ºC. Como na confeção de alimentos de origem animal é difícil atingir esta temperatura no interior da peça, deve evitar-se a confeção de pedaços de carne inteiras com mais de 2,5 kg de peso.
  • A destruição dos microrganismos depende não só da temperatura, mas também do tempo a que o alimento está exposto a essa temperatura e da contaminação inicial. Em todo o caso, a carne de porco deve ser sempre consumida “bem passada” já que é um dos focos de transmissão parasitária (da ténia, por exemplo), sendo a temperatura e o tempo de confeção a forma de eliminar estes parasitas.