Como testamos

Ovos: como testamos

Explosão de farinha e gema de ovos numa taça com ovos partidos na bancada da cozinha

Da embalagem e casca, ao interior do ovo: analisamos peso, limpeza da casca, frescura, estado da clara e da gema, resíduos de medicamentos, higiene e rotulagem.

Analisamos ovos frescos da classe L (63 a 73 gramas), com exceção de um produto que indica calibres diferentes (M/L). Compramos ovos de galinhas criadas no solo e em gaiolas, em embalagens de 6 ou 12 unidades, quando não encontramos a primeira capacidade. A maioria das análises foi realizada a uma semana do final do prazo de validade, com os produtos em situação de igualdade.

Pesamos os ovos, confrontando o resultado com a classe indicada no rótulo.

Verificamos o estado da cutícula e da casca, a mobilidade e a altura da câmara-de-ar, a translucência e a consistência da clara.

Analisamos a presença de manchas de sangue na clara e na gema e a posição da última no ovo.

Pesquisamos resíduos de medicamentos anti-infecciosos (tetraciclinas, fluoroquinolonas e sulfonamidas) e coccidiostáticos, medicamentos que combatem a coccidiose, doença parasitária comum nas aves.

Consideramos ainda indicadores de higiene e de contaminação: microrganismos a 30ºC, assim como enterobacteriaceae. Pesquisamos Salmonella spp., bactéria patogénica, na casca e dentro do ovo.

Analisamos várias informações da rotulagem: denominação de venda, número de ovos, categoria de peso e de qualidade (A), data de durabilidade mínima (na embalagem e nos ovos), nome e morada, data de postura, valor nutricional e energético, código do ovo e condições de conservação, entre outros.