Notícias

Dieta com mais hidratos de carbono e menos proteínas

16 maio 2014

16 maio 2014

A carne disponível à nossa mesa diminuiu e estamos a comer mais cereais e tubérculos. A conclusão é da Balança Alimentar Portuguesa 2008-2012, que analisa as quantidades disponíveis de produtos alimentares e bebidas.

Realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o estudo não indica diretamente o que os portugueses consumiram. Mas o organismo admite haver “uma forte probabilidade de o padrão das disponibilidades estar relacionado com o padrão alimentar do consumo”. Cruzando os dados da Balança Alimentar Portuguesa com o Inquérito às Despesas das Famílias 2010-2011 (também do INE), encontram-se “correlações positivas, elevadas e estatisticamente significativas”, explica o Instituto.

Assim, nos últimos 5 anos os portugueses tiveram à disposição mais hidratos de carbono e menos proteínas. Em cada ano houve menos carne disponível e, pela primeira vez desde que há registo (década de 60), a carne de aves superou a de bovino e suíno.

O ano dos mínimos
Em 2012 a disponibilidade de alguns alimentos essenciais caiu para valores que há muito não se registavam. A carne de bovino teve os níveis mais baixos dos últimos 10 anos. Os frutos baixaram para mínimos de há duas décadas. Quanto aos laticínios, é preciso recuar 9 anos para encontrar valores tão baixos. E há 8 anos que não havia tão pouco peixe. Mesmo assim, houve aumentos noutros grupos alimentares: mais 2,1% nos cereais, 5,8% nas hortícolas e 4% nos estimulantes (café e similares, chocolate, cacau).

O estudo revela ainda que o período entre 2008 e 2010 foi caracterizado por elevadas disponibilidades alimentares e calóricas. A partir de 2010 registou-se uma queda acentuada dos valores, em função da situação económica e social do país. “A contração do consumo doméstico nos últimos anos teve consequências ao nível da disponibilidade alimentar”, avança o INE.

Apesar disso, os portugueses estão a ingerir mais calorias do que deviam. O valor per capita atingiu uma média de 3963 quilocalorias, o suficiente para 1,5 a 2 adultos (o valor recomendado ronda as 2000 a 2500 por dia). De acordo com a opinião de alguns especialistas, as proteínas animais, agora menos disponíveis, foram substituídas por outros produtos.

Devíamos comer mais hortícolas, leguminosas e laticínios. Também é importante reduzir nos óleos e gorduras.
Devíamos comer mais hortícolas, leguminosas e laticínios. Também é importante reduzir nos óleos e gorduras.

Dicas para uma dieta saudável
Se quiser manter uma dieta saudável, faça uma alimentação variada e equilibrada, baseada na Roda dos Alimentos. Os protagonistas à mesa devem ser os cereais e derivados, tubérculos, hortícolas e frutas. Segundo os dados da Balança Alimentar Portuguesa, o nosso consumo de cereais e tubérculos já é 3% superior ao recomendado. Mas ainda é insuficiente no que se refere à fruta e hortícolas, importantes fontes de vitaminas, minerais e fibras. 

De acordo com a Roda dos Alimentos, cada pessoa deve ingerir entre 3 a 5 porções de fruta e a mesma quantidade de hortícolas. Uma porção corresponde, por exemplo, a uma peça de fruta de tamanho médio ou a uma chávena almoçadeira de hortícolas cozinhadas.

Se consumir estes alimentos em época própria, consegue a melhor relação entre qualidade e preço. O nosso calendário pode ajudar nessa seleção.