Notícias

Consultas de nutrição: um terço prescreve regimes pouco saudáveis

27 março 2015 Arquivado

27 março 2015 Arquivado
Dietas muito restritivas, ausência de recomendações sobre exercício físico e pouco interesse pelo estado de saúde ou pela história clínica das clientes foram as principais falhas de um terço dos profissionais que consultámos com o objetivo de emagrecer.

Pedimos a duas colaboradoras obesas e duas com défice de peso para procurem conselhos para emagrecer em 46 consultas de nutrição, em Lisboa e Porto. As obesas precisavam mesmo de perder peso. As magras viam "gordurinhas inestéticas" nalgumas zonas do corpo, que queriam eliminar.

O panorama geral é bastante melhor do que o que encontrámos em 2005, quando chumbámos mais de metade das consultas. Mas continuam a surgir erros imperdoáveis. A proibição de certos alimentos e a redução excessiva de calorias, inclusive no caso das mulheres com peso a menos, são alguns desacertos.

Avaliação prévia

Um regime alimentar de emagrecimento deve ter em conta a idade, o peso e a altura do destinatário, o seu estado de saúde e respetivos hábitos alimentares e de atividade física.

Todos os profissionais, na maioria nutricionistas e dietistas, quiseram conhecer as medidas das suas clientes. Em 13 casos, além de medirem o peso e a altura, foram mais rigorosos e verificaram as dimensões da anca, da cintura e o perímetro abdominal. A história clínica foi negligenciada em apenas quatro dos 14 estabelecimentos lisboetas visitados: no ginásio New Level não fizeram uma única pergunta sobre saúde às candidatas ao emagrecimento. A cliente com défice de peso teve a mesma sorte no Ginásio Clube Português. Da Alvamed e da Klínica We Care saíram algumas perguntas, mas não as suficientes para uma avaliação completa.

Em seis visitas – Klínica We Care, MyClinique, Mymoment, Clínica do Homem e da Mulher e Farmácia Reis Oliveira - não houve interesse em conhecer os hábitos e as preferências alimentares das clientes, pelo que dificilmente conseguiriam prescrever uma dieta adaptada, com potencial para corrigir comportamentos menos corretos.

Emagrecer sem comer

As colaboradoras obesas pretendiam emagrecer 20 quilos em dois a três meses. A necessidade de perder peso era evidente, mas os profissionais deveriam alertá-las para os riscos de perderem tanto em tão curto período. Na Mymoment, Clínica do Homem e da Mulher, Farmácia Reis Oliveira e Livewell, não colocaram qualquer entrave à pretensão. As nossas colaboradoras saíram dos quatro locais com prescrições de dietas desequilibradas e demasiado restritivas – na prática, teriam mesmo de passar fome.

As duas colaboradoras com peso insuficiente queriam emagrecer quatro quilos. Esperávamos que os profissionais explicassem que tal não seria recomendável e até poderia ser prejudicial para a saúde. A Clínica das Conchas e o BodyScience aceitaram a solicitação sem nenhum comentário, recomendando dietas pobres em hidratos de carbono. Em cinco consultas - Ginásio New Level, Klínica We Care, MyClinique, Mymoment e Farmácia Reis Oliveira - disseram à cliente que não necessitava de perder peso, mas prescreveram dietas restritivas. Nas restantes 17 visitas, forneceram bons conselhos nutricionais e alguns prescreveram planos alimentares adequados para manter o peso.

Grande parte dos profissionais alertou para a importância da atividade, recomendando sobretudo caminhadas diárias de meia hora, no mínimo. Contudo, nas consultas da MyClinique, Farmácia Reis Oliveira, Livewell e ginásio Free Fitness Academia, as colaboradoras com excesso de peso não ouviram uma palavra sobre o assunto.

Perda lenta, mas sustentável

Para perder peso de forma saudável é importante definir objetivos realistas. A perda sustentada implica não eliminar mais do que três a quatro quilos por mês, nem restringir demasiado a alimentação. Nenhum grupo da Roda dos Alimentos deve ser dispensado, embora seja necessário prestar atenção à quantidade. Faça várias refeições por dia e não fique mais de três horas e meia sem comer. Entre as refeições principais, pode comer, por exemplo, iogurte, fruta, frutos secos ou pão. Evite alimentos processados, como barritas de cereais ou bolachas com muito açúcar e/ou gorduras.

A sopa, rica em vitaminas e minerais e pobre em calorias, ajuda a controlar o apetite. No prato principal, pode incluir qualquer tipo de comida e os diferentes modos de confeção, tanto ao almoço como ao jantar, desde que limite a quantidade de gordura e os molhos. A água é bebida de eleição. Os sumos e os refrigerantes devem ser reservados para ocasiões especiais. O mesmo se recomenda para bolos, chocolates, enchidos.