Dicas

Dietas: descubra o que escondem de A a Z

18 junho 2019
emagrecer

18 junho 2019

Muitos regimes prometem um emagrecimento rápido e sem esforço, mas alguns são perigosos para a saúde. Conheça o que está por trás de algumas dietas da moda.

K-M

Monotemática

Nas dietas monotemáticas (ou monodietas) só é permitido um tipo de alimento durante um ou mais dias. Por exemplo, durante uma semana come apenas iogurte, batidos ou sopa. Geralmente não há horários fixos nem limites para as quantidades que pode ingerir.

Com este regime, é possível obter resultados surpreendentes em pouco tempo. Mas é uma alimentação desequilibrada. Só permite comer proteínas (na mesma lógica da dieta hiperproteica) ou quantidades reduzidas de calorias (como a dieta hipocalórica). Mas o nosso organismo precisa de todos os nutrientes. Cada um tem funções específicas e importantes, não importa quantas calorias fornecem. É uma dieta com inúmeras carências de proteínas, vitaminas e minerais. A médio prazo, é perigosa.

Montignac

Na família das dietas dissociadas, a de Montignac é a mais famosa. Proíbe juntar as gorduras e os hidratos de carbono na mesma refeição (torradas com manteiga ou batatas fritas são para esquecer). O açúcar é excluído. Apenas são permitidos pratos que combinem hidratos de carbono com proteínas ou gorduras com proteínas. Também pode comer fruta, desde que não seja à sobremesa.

Para o autor desta dieta, Frenchman Michel Montignac, os hidratos de carbono produzem uma descarga de insulina que leva as gorduras a acumularem-se nos depósitos do corpo. Evitar ingerir esses nutrientes em simultâneo torna mais difícil a concentração da gordura, que primeiro vai ser usada como fonte de energia.

No entanto, não há uma base científica que comprove esse processo. Se há calorias em excesso, acumulam-se. Se o corpo precisa delas, usa-as.

O êxito da dieta pode estar no facto de reduzir a quantidade de alimentos ingeridos, uma vez que as combinações permitidas são pouco atrativas. Mas é um regime pobre em hidratos de carbono, que diminui as reservas de glicogénio e de proteínas e provoca a perda da massa muscular. É também rico em gorduras, com efeitos nocivos à saúde cardiovascular.