Universo DECO:
Dicas

Máquinas fotográficas: que aparelho escolher?

2 Março 2012
Máquinas fotográficas: que aparelho escolher?

Básica, avançada e reflex: indicamos o aparelho ideal para si, com base no uso que prevê fazer.

A maioria dos modelos são compactos e leves, ideais para uma utilização simples e, sobretudo, em modo automático. Polivalentes, conseguem ter um zoom interessante num corpo de dimensões reduzidas. As escassas regulações manuais só estão, em regra, acessíveis no menu, o que torna a utilização pouco prática. Se não está interessado em aprofundar os conhecimentos de fotografia, uma básica é ideal.
Para um uso mais criativo, prefira um modelo avançado ou reflex. A capacidade do zoom ótico, em regra, não ultrapassa as 4x, o que é limitado. Alguns modelos superzoom e avançados possuem valores de zoom acima de 20x. Verifica-se o aumento da dimensão dos ecrãs LCD (com diagonais entre 6 e 9 cm) e o abandono dos visores oculares. Com estes havia uma melhor visibilidade na presença de luz solar intensa e poupava a bateria. Por cerca de 170 euros, pode encontrar um modelo de boa qualidade.

As máquinas ultracompactas, pela reduzida dimensão, podem ser transportadas, por exemplo, no bolso de uma camisa, e estão sempre prontas a ser utilizadas. A partir de € 189 já consegue comprar um bom modelo.

Com um zoom considerável (superior a 15x), as compactas superzoom são mais versáteis, dado permitirem enquadrar motivos a distâncias curtas e longas. Por norma, este zoom exige um corpo de dimensões superiores. O investimento para comprar uma máquina de boa qualidade começa nos 289 euros.

As compactas “todo-o-terreno” apresentam proteção contra pó, água ou salpicos e impactos. São companheiras ideais para atividades radicais. Um bom modelo pode custar cerca de 360 euros.

Avançadas
São muito versáteis, com várias regulações manuais, indicadas para quem pretende mais controlo. Permitem, por exemplo, ajustar manualmente o equilíbrio de brancos, fazer uma focagem manual contínua, utilizar o modo de prioridade à abertura do diafragma, à velocidade de obturação e definir o valor de sensibilidade (ISO). Alguns modelos são tão versáteis quanto os reflex e com uma qualidade fotográfica comparável à dos aparelhos mais baratos deste segmento. Distinguem-se por não permitirem trocar as lentes.

A capacidade do zoom ótico é bastante elevada (pode chegar às 35x). Regra geral, os modelos com um zoom superior a 4x têm um visor ocular eletrónico em vez de ótico. Aquele é bastante preciso, comparável ao que equipa uma reflex, embora a qualidade da imagem varie consoante o modelo. Mas com um zoom ótico de alcance elevado, estas máquinas podem tornar-se pesadas e volumosas.

Se é um entusiasta da fotografia e quer um aparelho para dar asas à sua criatividade, uma máquina avançada pode ser a solução. Um bom modelo custa a partir de 347 euros.

Reflex

Tal como as avançadas, as reflex possuem muitas regulações manuais. Mas conseguem ser mais versáteis, pois é possível utilizar lentes para variados para usos e condições específicas (por exemplo, lentes macro para ângulos de visão alargados).

São indicadas para os amantes da fotografia, interessados em utilizar diferentes lentes (por exemplo, teleobjetiva para obturar motivos distantes ou de focal fixa para uma maior luminosidade) e ter o máximo de flexibilidade. Avalie o volume e peso algo elevados. As lentes em separado implicam um investimento considerável.

Pode comprar uma boa reflex em kit, com corpo e lente, a partir de 549 euros.

Híbridas
As máquinas deste segmento têm em comum o facto de permitirem trocar as lentes e dispensarem o pentaprisma e o espelho (main mirror). O tamanho é, por isso, mais compacto. Por não possuírem estes dois elementos mencionados, também não têm visor ótico. Este, quando existe, é eletrónico que, em termos de qualidade, fica aquém do ótico.

Os aparelhos híbridos apresentam desempenhos equivalentes às reflex de entrada de gama. Face às reflex, as híbridas são mais pequenas, compactas e leves, além de mais fáceis de utilizar. As lentes são também mais pequenas. Em contrapartida, apresentam menor número de opções relativamente ao número de lentes disponíveis, visores oculares do tipo eletrónico, de qualidade inferior, e, regra geral, pior relação entre a qualidade e o preço.

As máquinas híbridas em kit custam a partir de 449 euros.


X