Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.
ver mais sobre cookies
ok, continuar
Universo DECO:
Dicas

Infeções vaginais: tratar e prevenir

15 Junho 2011
Infeções vaginais: tratar e prevenir

Três em cada quatro mulheres já tiveram uma infeção. O risco aumenta com o uso excessivo de produtos e as alterações hormonais.

Corrimento abundante, com um odor desagradável, comichão ou ardor são sintomas de uma infeção vaginal. Trata-se da principal causa das consultas ginecológicas, afetando mulheres de todas as idades. As vaginites bacterianas e as candidíases (infeção através de fungos) são as mais frequentes e surgem com o desequilíbrio da flora vaginal. Em 10% dos casos, a infeção é causada por um parasita chamado tricomonas, transmitido sexualmente. Trata-se de uma questão que não pode ser escondida do parceiro sexual.

Ida ao médico indispensável

  • Perante sintomas ao nível da vagina, vá ao médico de família ou ginecologista. A descrição dos sintomas, a observação e alguns exames complementares permitirão descobrir a causa exata das suas queixas. Além de alterações ao nível das secreções vaginais (aspeto, cor e cheiro), refira se tem comichão, inflamação e vermelhidão da vulva, borbulhas, dificuldades urinárias, dores no baixo-ventre e durante as relações sexuais. O médico poderá fazer-lhe perguntas sobre a sua vida sexual. Um novo parceiro pode aumentar o risco de infeções sexualmente transmissíveis, como a tricomoníase. A toma prolongada de alguns antibióticos pode causar candidíase, outra infeção. 
  • Apresente-se o mais naturalmente possível na consulta. Lavar-se demasiado ou usar produtos de higiene íntima pode mascarar alguns sintomas característicos da infeção. Se o médico tiver dúvidas, poderá fazer uma análise das secreções vaginais ao microscópio, para identificar o agente responsável. Alguns antifúngicos não são de receita médica obrigatória, mas nunca deve recorrer à automedicação, para evitar que a situação piore ou cause outro tipo de infeção.

Equilíbrio no dia-a-dia

  • Lave-se diariamente com água e um sabonete suave. Seque-se bem. Os produtos de higiene íntima são desnecessários. Podem não ser nocivos quando usados de vez em quando, mas não devem fazer parte da higiene diária. 
  • Os banhos de espuma, desodorizantes, papel higiénico perfumado, alguns detergentes e amaciadores para a roupa contêm substâncias irritantes que podem causar alergias. 
  • Na casa de banho, limpe-se de frente para trás, para evitar a migração de bactérias fecais para a vagina. 
  • Evite calças e cuecas muito justas. Prefira roupa interior de algodão. 
  • Os antibióticos só devem ser usados quando forem mesmo necessários: também desequilibram a flora vaginal. 
  • Vá de imediato ao médico se estiver grávida, pois as infeções vaginais podem trazer complicações para o bebé. O mesmo é válido se tiver dores no baixo-ventre, pois pode significar que a infeção está a afetar outros órgãos, podendo causar infertilidade. 
  • No consultório, descreva os sintomas e apresente-se sem vergonha. As infeções vaginais são frequentes e os tratamentos simples e eficazes.

Crianças protegidas

  • Ensine a sua filha a usar corretamente o papel higiénico (limpando-se da frente para trás) e a lavar as mãos após cada ida à casa de banho. Vista-lhe cuecas de algodão. Evite banhos de imersão ou de espuma, sabonetes, detergentes e amaciadores para a roupa muito perfumados. Na praia ou na piscina, retire-lhe o fato de banho húmido e vista-lhe roupa seca. 
  • Se a sua filha se queixar de comichão e ardor ou notar vermelhidão, convém ir ao médico. Pode dever-se ao uso de produtos irritantes (por exemplo, sabonetes, detergentes e amaciadores para a roupa perfumados), mas também a uma infeção vaginal, causada por fungos ou bactérias provenientes da região anal. Outra causa: pequenos parasitas inofensivos (oxiúros), que se desenvolvem no intestino em cerca de 20% das crianças, podem migrar para a vagina, causando comichão intensa, sobretudo durante a noite. 
  • Em caso de irritação passageira, pode aplicar um creme gordo (por exemplo, Vaselina) ou um creme com óxido de zinco (por exemplo, Halibut). Se a irritação e comichão forem persistentes, o médico poderá aconselhar a aplicação de uma pequena dose de creme com cortisona. 
  • As infeções bacterianas são tratadas com antibiótico. Na presença de oxiúros, o tratamento é feito com medicação específica (mebendazole).


DESCUBRA A DECO PROTESTE
DURANTE 2 MESES POR APENAS € 2

CONHEÇA AS VANTAGENS EXCLUSIVAS QUE TEMOS PARA SI

As nossas revistas Acesso ilimitado ao portal 50 especialistas ao seu dispôr
As nossas revistas Acesso ilimitado ao portal 50 especialistas ao seu dispôr
Quero tornar-me associado →

Se já é nosso associado faça login no site

X
X