Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.
ver mais sobre cookies
ok, continuar
Universo DECO:
Dicas

Dores de pescoço: como tratar

1 Janeiro 2009
Dores de pescoço: como tratar

Alguns tratamentos e dicas podem ajudar a aliviar ou a evitar a dor de pescoço.

Dolorosa e desconfortável
Na maioria dos casos, a dor no pescoço surge de forma repentina: dificulta a mobilidade da cabeça e aumenta após um período de descanso. A dor pode aparecer devido a uma má posição durante o sono, queda, pancada, mau jeito ou após estar sentado na mesma posição durante muito tempo. Quando não há uma razão clara e a causa do desconforto se desconhece, estamos perante uma dor não específica, a mais comum.

Com o passar dos anos, os discos e articulações desgastam-se e o espaço entre as vértebras vai diminuindo. Este processo varia de pessoa para pessoa, mas nalguns casos acaba por causar dor e falta de mobilidade no pescoço. Trata-se de uma manifestação de artrose, neste caso é espondilose cervical, conhecida por "bicos de papagaio". O chamado "golpe de coelho" também causa dores de pescoço. Este tipo de traumatismo é causado por um acidente de viação ou mesmo uma travagem mais brusca em que o pescoço do condutor ou passageiro é projectado com violência para a frente e depois para trás.

Uma dor de pescoço pode ser um verdadeiro pesadelo, sobretudo se for persistente. A defesa do paciente será não se mexer, o que irá tornar os músculos ainda mais fracos. O trabalho e o quotidiano familiar acabarão por ser afectados, podendo causar stresse, ansiedade ou mesmo depressão. Como uma bola de neve, o problema vai agravar-se. O paciente tem cada vez menos força para fazer exercício e manter a sua actividade física normal, o que irá enfraquecer cada vez mais os músculos.

A luz ao fundo do túnel 
O repouso quase absoluto é inadequado, porque pode agravar a rigidez e a dificuldade em mover o pescoço. Descrevemos-lhe alguns tratamentos utilizados.

A medicação é sempre um dos primeiros passos. Um analgésico como o paracetamol deve ser a primeira escolha contra as dores (Panasorbe ou o Ben-U-Ron, por exemplo). Os anti-inflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno (Brufen ou Trifene 400) e diclofenac (Fenil-V ou Voltaren) podem ajudar. Mas cuidado com os possíveis efeitos secundários, em particular ao nível gástrico.

Uma boa alternativa é aplicar de anti-inflamatórios em creme, gel, spray ou adesivo como o diclofenac (Fenil-V Gelcreme, Voltaren Emulgel, etc.) ou o picetoprofeno (Picalm, por exemplo), com menos efeitos secundários.

Os relaxantes musculares são também uma boa solução, entre os quais o tiocolquicosido (Relmus em cápsulas e injectável, por exemplo) e associado ao paracetamol (Adalgur comprimidos, entre outros). Por vezes, utilizam-se calmantes como o diazepam (Valium, por exemplo) porque têm um efeito secundário relaxante dos músculos. Casos mais graves podem exigir injecções de cortisona. Muitos destes medicamentos existem em genéricos. Consulte o seu médico sobre os mais indicados.

A massagem é um bom relaxante, mas não há estudos que comprovem a sua eficácia.

Biofeedback é uma técnica de relaxamento que permite, através de um aparelho, controlar a tensão dos músculos. Este tratamento é recomendado para quem sofre de dores crónicas, mas a sua eficácia ainda não foi comprovada.

A fisioterapia utiliza a energia térmica e eléctrica, bem como as radiações, para intervir sobre os sintomas locais. A escolha dos métodos depende da natureza da doença e da reacção do doente.

Pequenos gestos fazem a diferença

  • A causa de um mau jeito no pescoço ou um insuportável torcicolo pode ser a má posição durante o sono, mas, na maioria dos casos, a grande culpada é a sua almofada. Escolha uma que lhe permita apoiar bem o pescoço, evitando que a cabeça descaia.
  • A maioria das pessoas passa mais tempo sentada do que em pé, o que pode vir a causar dores não só de pescoço, como de costas. Quando estiver sentado é essencial apoiar bem a coluna lombar. A altura da cadeira deve permitir que os pés estejam bem assentes no chão e os joelhos flectidos num ângulo de 90 graus.
  • No trabalho, as costas da cadeira, de preferência altas, devem permitir uma postura bem direita. Prefira as reguláveis em altura e reclináveis, com efeito de mola e apoios para os braços.
  • Em frente ao computador, o ecrã deve estar ao nível dos seus olhos para manter o pescoço direito. Evite trabalhar com o computador durante muito tempo seguido. Faça um intervalo de 15 minutos em cada 2 horas.


X