Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.
ver mais sobre cookies
ok, continuar
Universo DECO:
Dicas

Combater a transpiração excessiva

22 Agosto 2013
Combater a transpiração excessiva

Suar é um fenómeno natural, mas, em excesso, pode causar desconforto. Algumas medidas e tratamentos ajudam.

Quando está calor, fazemos desporto, nos expomos ao sol ou andamos sob stresse, é normal e até desejável que transpiremos. Este fenómeno permite restabelecer o equilíbrio dos níveis de sais no organismo e regular a temperatura corporal.

Um bom duche, roupa lavada e um desodorizante são, geralmente, medidas suficientes para nos sentirmos frescos. Mas algumas pessoas suam mais do que outras, o que pode causar desconforto e até mesmo problemas sociais e emocionais.

Uma questão de glândulas
O suor não tem odor quando é segregado. Mas é rico em substâncias que as bactérias metabolizam. Em condições favoráveis, como a humidade, a temperatura e o pH da pele, este processo conduz ao cheiro característico.

A transpiração excessiva é, em termos médicos, designada por hiperidrose. Pode ser local ou generalizada. A primeira afeta as glândulas das axilas, mãos, pés e rosto, sobretudo após a puberdade. Apesar de ser um problema algo frequente, ainda não há certezas sobre as suas causas. Supõe-se que o sistema nervoso autónomo seja excessivamente estimulado por certos fatores, tais como o stresse, o calor, os esforços físicos ou alguns alimentos (por exemplo, muito condimentados).

Os especialistas definem vários critérios para que se possa considerar a existência de hiperidrose local. O indivíduo precisa de sofrer durante 6 meses e sem razão aparente de transpiração excessiva nas mãos, nos pés, nas axilas ou no rosto. Deve ainda reunir dois dos fatores que se seguem: suor abundante de ambos os lados do corpo ou transpiração excessiva, pelo menos, uma vez por semana, mas não durante o sono. O problema deverá ter surgido antes dos 25 anos e poderá haver antecedentes familiares.

A hiperidrose pode também ser generalizada e manifestar-se em todo o corpo. Nesse caso, é possível que esteja relacionada com um problema de saúde: por exemplo, uma infeção, níveis de glicemia demasiado baixos ou hipertiroidismo. Este tipo de hiperidrose pode também ser causado por alguns medicamentos, como antidepressivos, ou pelo consumo de álcool. Por vezes, ocorre durante a gravidez ou em pessoas obesas, na menopausa ou em caso de ansiedade. Nestas situações, deve resolver-se a causa subjacente.

Quando as medidas clássicas falham
Comece por escolher um antitranspirante à base de sais de alumínio ou zircónio. Estes produtos diminuem a produção de suor, pois retraem ou fecham a parte superior da glândula sudorípara (responsável pela transpiração). Em caso de reação alérgica ou irritação na pele, deixe de usar.

Se estas medidas não resultarem, é possível avançar para a ionoforese, uma técnica que consiste em aplicar estímulos elétricos que bloqueiam temporariamente as glândulas sudoríparas.

Também existem medicamentos, mas têm mais inconvenientes do que vantagens. Muitas vezes, trata-se de substâncias sem indicação para a hiperidrose, mas que, em doses elevadas, reduzem a produção de suor. Podem surgir efeitos secundários.

Outra possibilidade para as axilas são as injeções de botox, proteína produzida por uma bactéria que bloqueia a libertação do neurotransmissor que intervém na ativação das glândulas sudoríparas. Tal reduz a produção de suor durante 6 a 11 meses.

Em último recurso, pode recorrer a cirurgia, para extrair as glândulas que produzem suor em excesso. Mas esta técnica deixa uma cicatriz pouco estética.

A lipoaspiração local é menos agressiva. Consiste na sucção do tecido subcutâneo e das glândulas. Mas não se conhecem bem os resultados a longo prazo.

As glândulas das axilas podem ser removidas por raspagem. Contudo, este método parece menos eficaz e tem risco de recaídas.

A simpatectomia torácica, que exige anestesia, destrói alguns gânglios nervosos responsáveis pelas zonas onde se manifesta a transpiração. É realizada por via endoscópica, com duas pequenas incisões.

Medidas potentes contra o suor

  • Use roupas leves e largas, de preferência em algodão, linho ou seda, que absorvem melhor a humidade do que os tecidos sintéticos. Evite sapatos com materiais plásticos.
  • Lave-se com frequência e use um desodorizante para eliminar o suor e evitar a proliferação de bactérias. Após o banho, seque bem as axilas. O pó de talco ajuda a remover a humidade.
  • Se os desodorizantes clássicos forem insuficientes, opte por antitranspirantes com sais de alumínio, que bloqueiam a produção de suor. Não os aplique logo após a depilação, para evitar irritações na pele. A depilação é uma boa forma de reduzir maus odores causados pela interação das bactérias alojadas nos pelos.

Rótulos dos desodorizantes: sais de alumínio mais eficazes, mas irritantes
Os antitranspirantes à base de cloro-hidrato de alumínio ou sais de alumínio e zircónio são mais eficazes do que os desodorizantes, que apenas mascaram os odores. Os primeiros bloqueiam o suor e proporcionam uma sensação de pele seca. Mas podem causar irritação em pessoas com pele sensível.

Alguns produtos incluem agentes antimicrobianos para eliminar as bactérias responsáveis pelo odor desagradável. É preferível evitá-los ou mudar de marca com frequência, para não criar resistências. Estes produtos também podem ser irritantes. Geralmente, a higiene diária é suficiente para eliminar as bactérias.

Mesmo que um produto anuncie proteção durante 24 horas ou mais, remova-o todas as noites com água e sabão. Deixe a pele respirar. Antes de uma nova aplicação, limpe sempre a anterior.

Para peles sensíveis, prefira marcas sem álcool, sem alergénios (limoneno, geraniol, etc.) nem conservantes, como a tiazolinona ou compostos de ureia.

Produtos com cloro-hidrato de alumínio e zircónio de alumínio revelam mais poder contra a transpiração. Produtos com cloro-hidrato de alumínio e zircónio de alumínio revelam mais poder contra a transpiração.

X